::Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica ::Incêndio em aterro sanitário provoca nuvem de fumaça em Monteiro; fotos ::Polícia prende albergado, suspeito de furto em Monteiro ::Prefeitura de Monteiro anuncia pagamento dos servidores municipais ::Pároco de Monteiro diz que igreja não apoia parada gay em Monteiro ::Deputado diz que abrirá sigilos bancário, fiscal e telefônico ::Edna consegue liberação de recursos para construção de escolas em Monteiro ::Escritor Monteirense é o novo membro da Academia de Letras de Campina ::Câmara aprova fim da reeleição para presidente, governador e prefeito ::Amado Batista defende “tapas” em crianças Malves Supermercados

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

EXCLUSIVO: Está cancelada a Parada Gay que seria realizada na cidade de Monteiro no próximo dia 17 de outubro. A decisão foi da organização do evento, diante das recentes críticas feitas pelo pároco da Igreja Católica de Monteiro, padre José Marcos, que revelou não apoiar a realização de tal parada gay. O jovem Emerson John, que estava organizando o evento, lamentou o posicionamento do padre, mas disse respeitar sua atitude.

Nesta quinta-feira foi divulgada uma entrevista do padre, que não mediu críticas e disse: “Deus fez homem e mulher, então, Deus deu a Adão a sua companheira, portanto a união é heterossexual”, disse o padre Zé Marcos. Já Emerson John, que faz questão de frisar que é heterossexual, revelou ainda que em nenhum momento quis bater de frente com a população, e sim combater o preconceito, a discriminação e a violência contra os homossexuais.

A organização da Parada Gay chegou a divulgar que a justificativa para sua realização é que o Brasil é o país que mais tem realizado passeatas, marchas ou paradas LGBTT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) e é em São Paulo, que se realiza a parada do orgulho gay com o maior número de participantes. Disse ainda que nos últimos anos tem superado os três milhões de pessoas que participam do evento e que positividade deste fenômeno está no fato de trazer ou levar às ruas a problemática de um segmento social extremamente violentado, e que sua cidadania é desconsiderada, desrespeitada ou discriminada.

Banner Coringa Banner Coringa

Incêndio em aterro sanitário provoca nuvem de fumaça em Monteiro; fotos

Polícia prende albergado, suspeito de furto em Monteiro

Banner Segundo Wilson Ricardo

Prefeitura de Monteiro anuncia pagamento dos servidores municipais

Pároco de Monteiro diz que igreja não apoia parada gay em Monteiro

Deputado diz que abrirá sigilos bancário, fiscal e telefônico

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

O deputado estadual João Henrique (DEM), vice-presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba, revelou que abrirá os sigilos bancário, fiscal e telefônico para, segundo ele, colaborar com todas as investigações da Polícia Federal no caso da operação ‘Sete Chaves’, que investiga ações ilegal de comercialização de pedras preciosas do estado.

O deputado, que já havia divulgado nota à imprensa para se defender, disse que há 15 anos vem denunciando grupos ilegais que exploram lavras na Paraíba. Ele disse que fez 15 denúncias à Polícia Federal e que está em dia com todas as obrigações.

Ele contra-atacou acusações do procurador da República em Patos, João Rafael Lima, que disse que teria um deputado envolvido em formação de quadrilha. “Não acredito em tamanha aberração dita por um procurador”, afirmou João Henrique ao jornalista Hermes de Luna. Ele ainda classificou as declarações como “infelizes e imaturas”.

João disse também em entrevista que apóia e contribuirá incondicionalmente com as investigações, porque também é vítima de criminosos que vêm praticando o crime de Lavra Clandestina na região, através de empresas com ramificações em Parelhas, no Rio Grande do Norte, Governador Valadares, em Minas Gerais, Bangkok, Tailândia, Hong Kong, China, Houston e Las Vegas. O deputado acrescenta que vem denunciando esses crimes ao DNPM desde 1998.

O deputado informou que fará um pronunciamento sobre o caso na sessão desta quinta-feira (28) da Assembleia Legislativa da Paraíba.

Envolvimento do deputado ainda será investigado pela PF
Nem a Polícia Federal e nem o Ministério Público adiantaram informações sobre a possível participação de um deputado paraibano no esquema. Segundo o delegado Fabiano Lucena, o nome do parlamentar não foi divulgado por uma questão processual. “Existem investigações distintas e ele tem um foro privilegiado em relação ao qual nós só temos que obedecer às ordens judiciais”, explicou.

O delegado complementou: “Isso dependerá do prosseguimento das investigações e quando acharmos necessário, vamos intimá-lo para ele comparecer. Não há provas de envolvimento do deputado. É necessário que nos analisemos o material apreendido pra que nós cheguemos efetivamente a um juízo de culpa”.

Edna consegue liberação de recursos para construção de escolas em Monteiro

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

A prefeita Edna Henrique, que desde o início da semana participa da XVIII Marcha dos Prefeitos, que acontece em Brasília, está aproveitando os espaços de intervalo do evento para cumprir agenda em ministérios e demais órgãos da administração federal.

Na segunda-feira, 25, a prefeita de Monteiro esteve em audiência com o presidente do FNDE, Antônio Idilvan de Lima Alencar, de quem recebeu o compromisso de liberar a primeira parcela para a construção das escolas nas comunidades rurais de Cacimba de Cima, Queimadas e Santa Catarina, cujo orçamento total é de R$ 3.065.604,48 (três milhões, sessenta e cinco mil, seiscentos e quatros reais e quarenta e oito centavos), com contrapartida do município.

Em Cacimba de Cima a nova escola irá abrigar os alunos que atualmente estudam na Escola Municipal Tobias Remígio Gomes, em Queimadas abrigará os alunos da Escola Laura Lopes Frazão e em Santa Catarina os alunos do Ensino Fundamental II do Bento Tenório de Souza, uma escola estadual.

Segundo informou a prefeita Edna Henrique, as três escolas, orçadas cada uma em R$ 1.021.868,16 (Hum milhão, vinte e hum mil, oitocentos e sessenta oito reais e dezesseis), possuem o mesmo projeto arquitetônico e terão capacidade de abrigar 450 alunos, beneficiando estudantes de três importantes regiões rurais.

Além da audiência com o presidente do FNDE, a prefeita Edna Henrique terá audiência no Ministério da Saúde, onde buscará a liberação de recursos para as reformas dos PSF’s e dos âncoras, bem como para aquisição de novos equipamentos para as unidades de saúde do município.

A prefeita Edna Henrique permanece em Brasília até esta quinta-feira, 28, quando acontece a solenidade de encerramento da Marcha dos Prefeitos.

Terceiro postagens – Câmara Monteiro

Escritor Monteirense é o novo membro da Academia de Letras de Campina

efigeniolivroO escritor monteirense Efigênio Moura é o mais novo membro efetivo da Academia de Letras da cidade de Campina Grande. Ele assumirá a cadeira de número 18 da Academia, que tem como patrono Severino Pimentel, e anteriormente era ocupada pelo professor Rômulo de Araújo Lima.

Autor de obras que destacam o interior paraibano em especial, Efigênio Moura começou sua carreira de escritor com o livro Eita Gota (uma viagem paraibana), que conta a saga de Das Neves e Netinho que saem de Joao Pessoa e voltam para sua casa na Rua dos Pereiros, em uma veraneio 74. O livro tem 3 edições e uma reimpressão.

O segundo livro, Ciço de Luzia, rendeu ao autor a participação no vestibular 2013 da UEPB, fato que fez o livro ser o mais lido, vendido e discutido em todo estado naquele ano. Mesmo depois de passado o vestibular, o livro continua sendo estudado por alunos das redes públicas e privadas. Esse ano o livro foi adotado por escolas como o Geo Patos, Motiva (Campina Grande e Joao Pessoa), Menino Jesus e Damas (Campina Grande). O Livro fala de um amor entre um vaqueiro e a fila do patrão e se ambienta em Monteiro, Camalaú, Zabelê e a Fazenda Macaxeira (Zabelê).

Seu terceiro trabalho, Santana do Congo, conta a busca de Kessy Jones por seu pai e é ambientado em Ouro Velho, Prata e Congo, foi adotado como paradidático pelo Educandário Antônio Burgos em Santa Cruz do Capibaribe.

Seu quarto livro, ainda inédito, mas com publicação para este ano, chamar-Se-á Caderneta de Fiado e conta a estória de uma conta que a vida não pagou, tem como cenário a cidade de Taperoá, onde o autor viveu boa parte de sua infância.

Efigênio Moura se escora no Cariri paraibano para extrair desse chão suas estórias.

A posse do novo membro da Academia de Letras de Campina Grande acontecerá em um prazo de 6 meses. Efigênio Moura é o primeiro monteirense a ocupar tal posição nessa academia.

Câmara aprova fim da reeleição para presidente, governador e prefeito

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

A Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quarta-feira (27), por 452 a favor, 19 contra e uma abstenção, o fim da reeleição para presidente da República, governador e prefeito. A votação foi parte da série de sessões iniciada nesta semana, destinada à apreciação das propostas de reforma política.

O texto do fim da reeleição, de autoria do relator, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), não altera o tempo atual de mandato (quatro anos), mas, nesta quinta-feira (28), o plenário analisará a ampliação da duração do mandato para cinco anos. Antes de votar o fim da reeleição, os deputados rejeitaram nesta quarta o financiamento exclusivamente público das campanhas e aprovaram a doação de empresas a partidos, mas não a candidatos.

A proposta de emenda à Constituição da reforma política começou a ser votada no plenário nesta terça (26). Por decisão dos líderes partidários, cada ponto da PEC, como o fim da reeleição, será votado individualmente, com necessidade de 308 votos para a aprovação de cada item. Ao final, todo o teor da proposta de reforma política será votado em segundo turno. Se aprovada, a PEC seguirá para análise do Senado.

Fim da reeleição
Pelo texto aprovado pelos deputados, a nova regra de término da reeleição não valerá para os prefeitos eleitos em 2012 e para os governadores eleitos em 2014, que poderão tentar pela última vez uma recondução consecutiva no cargo. O objetivo desse prazo para a incidência da nova regra foi obter o apoio dos partidos de governantes que estão atualmente no poder.

Durante a votação em plenário, os líderes de todos os partidos orientaram que os deputados das bancadas que votassem a favor do fim da reeleição.

“O entendimento da nossa bancada é que [a reeleição] foi um instrumento que não se mostrou produtivo para o nosso país”, disse o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ).

Também defensor do fim da reeleição, o líder do Solidariedade, Arthur Maia (BA), argumentou que o uso da máquina pública pelo governante que está no poder torna desigual a disputa com outros candidatos.

“É desigual e injusto alguém disputar eleição contra o governante que está no poder com todos os favorecimentos que este poder proporciona”, discursou.

O líder do PT, Sibá Machado (AC), defendeu o fim da reeleição, com a manutenção do mandato de quatro anos.

“Nossa bancada vai orientar o voto sim, pelo fim da reeleição. Todos nós sabemos que a reeleição foi introduzida por um governo do PSDB”, declarou.

O PSDB também defendeu acabar com a possibilidade de reeleição, ressaltando porém, que essa regra “cumpriu o seu papel histórico”.

“A avaliação da bancada é que devemos caminhar para um novo ciclo, pelo fim da reeleição com mandato de cinco anos. Amanhã [quinta[, discutiremos o período do mandato”, disse o deputado Marcus Pestana (PSDB-MG).

Amado Batista defende "tapas" em crianças

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

A participação do cantor Amado Batista na comissão especial da Câmara dos Deputados que avalia PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da redução da maioridade penal, nesta quarta-feira (27), foi marcada por frases polêmicas e pela tietagem. Batista, que é favorável à redução, disse não saber se sua presença na comissão colabora ou não com o debate em torno do tema e defendeu que o Estado permita que pais possam “dar uns tapas” em seus filhos. “Você precisa educar a criança em casa ou dando uns tapas ou botando de castigo”, afirmou o músico.

Batista foi a primeira entre as várias “celebridades” convidadas a comparecer às audiências públicas que discutem a redução da maioridade penal de 16 para 18 anos de idade na Câmara dos Deputados. Ele foi convidado pela deputada federal Magda Moffato (PR-GO). Além de Batista, também foram convidados jornalistas como José Luiz Datena, Marcelo Rezende, Rachel Sheherazade, Caco Barcellos e o médico e escritor Dráuzio Varella.

Amado Batista disse ser a favor da redução da maioridade penal. “Eu sou totalmente a favor da redução da idade penal, mas sou mais a favor da punição dos criminosos em qualquer idade. Não importa se o menino tem 10 anos, 11 anos, 20 anos, 50 anos. Estou falando do ser humano”, afirmou.

O cantor, famoso por sucessos como “Secretária” e “Princesa”, reclamou do que classificou como falta de liberdade dos pais para educarem seus filhos. Recentemente, em uma canção chamada “Que Saudade”, Amado Batista defendeu a redução da maioridade penal.

“O governo tem que dar liberdade para que os pais possam educar as crianças. Como antigamente era. Hoje, não pode nem olhar para uma criança que é crime (…) Você precisa educar a criança em casa ou dando uns tapas ou botando de castigo. Agora, excessos, tipo quebrar braço, deixar roxo, eu sou totalmente contra esse tipo de coisa”, afirmou.

João Henrique classifica de inconsequente e leviana declarações de procurador

Banner boca escancarada

Acusado de assalto no Rio Grande do Norte é preso em Serra Branca

Curso de Corte e Costura é ofertado para 200 mulheres em Sumé

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

A Prefeitura Municipal de Sumé, por meio da Secretaria de Ação Social, deram início esta semana aos cursos do Projeto “Mulher Artífice, Mulher que Faz”, que irá beneficiar 200 mulheres que se enquadram nas situações de vulnerabilidade socioeconômica e que esteja inscritas no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CAdÚnico).

O curso está dividido em cinco turmas, tem duração prevista para oito meses e nele as mulheres receberão aulas de corte e costura, modelagem, linha de produção e formação social. A aula inaugural aconteceu na terça-feira (26) e foi feita pela secretária de Ação Social, Brígida Xavier.

De acordo com Brígida, é com grande expectativa que o governo municipal inicia o projeto. “Estamos trabalhando nele há algum tempo e oferecer essa oportunidade para essas mulheres é muito gratificante. Isso é um primeiro passo. Nosso objetivo é incentivar em Sumé a produção textil local tornado próspero o ramo da confecção em nossa cidade e colocando em funcionamento o galpão das costureiras”, disse Brígida.

Ela também enfatizou que o objetivo maior do Mulher Artífice é dar oportunidade de independência financeira para as mulheres, qualificando a mão de obra para buscarem autonomia e mudar o quadro de vulnerabilidade financeira, social e violência doméstica, situando-as nos sistemas produtivos, através de programas de empreendedorismo e associativismo.

O Projeto Mulher Artífice, Mulher que Faz é uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Sumé, Secretaria Municipal de Ação Social, Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres do Governo Federal e Disque Denúncia 180.

Ricardo recebe garantia da liberação de recursos do Ministério das Cidades

Gestores de Sumé levam pleitos do Município a Brasília

Monteirenses vítimas de acidente não resistem aos ferimentos e morrem

Investigação acusa Marin de receber mais de R$ 20 milhões em propinas

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

O Departamento de Justiça americano divulgou um documento de 164 páginas em que detalha as acusações feitas aos dirigentes da FIFA presos em Zurique. Suborno, lavagem de dinheiro, fraude, obstrução de justiça, entre outros crimes, são listados em 12 casos ou “esquemas”. O documento traz vários personagens sem nome – mas frisa que suas identidades são conhecidas pela investigação. O ex-presidente da CBF, José Maria Marin, é acusado de vários crimes – e especificamente de receber suborno em duas negociações.

A primeira acusação contra o brasileiro é relacionada às próximas quatro edições da Copa América e envolve a Datisa, uma empresa criada em 2013 para, de acordo com o documento, pagar as propinas. Segundo a acusação, a empresa Datisa pagaria até US$ 110 milhões em subornos (cerca de R$ 340 milhões) para garantir os direitos da competição até 2023. Deste montante, a Datisa já teria pago cerca de US$ 40 milhões divididos entre os dirigentes. Esse dinheiro seria distribuído assim: por cada edição, os presidentes da Conmebol, da CBF e da AFA embolsariam US$ 3 milhões cada (R$ 9,6 milhões) e os presidentes de outras sete confederações sul-americanas, não identificadas no documento, levariam US$ 1,5 milhão cada (R$ 4,7 milhões). Como restam oito confederações (Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Venezuela e Uruguai), não é possível apontar quais presidentes teriam recebido a quantia. Ainda sobrariam US$ 500 mil (R$ 1,6 milhão) para um décimo-primeiro dirigente não identificado. A soma desses valores totaliza os US$ 20 milhões apontados na acusação.

Segundo os investigadores americanos, as duas primeiras “cotas” (pelo acordo e pelo torneio de 2015) foram pagas. A Copa América do Centenário (que celebra 100 anos da competição) e será realizada nos EUA traria mais dinheiro – e propina maior: US$ 30 milhões (R$ 96 milhões) a serem divididos.

Ou seja – segundo os investigadores, Marin teria recebido pelo menos US$ 6 milhões (cerca de 19,2 milhões) até agora pela Copa América.

Marin também é acusado de receber propina num contrato de uma competição nacional. No capítulo do “Esquema da Copa do Brasil”, o relatório lista diversos personagens sem nome – identificados apenas por números e pela alcunha “Co-Conspirador” (no total, o relatório lista 16 Co-Conspiradores que atuam em diversas negociações. Apenas dois Co-Conspiradores são claramente identificáveis, o # 1, que é o ex-secretário-geral da Concacaf, Chuck Blazer. E o Co-Conspirador #2 é apontado como dono da Traffic – ou seja – o empresário José Hawilla. Ambos assumiram a culpa perante a justiça americana).

No capítulo da Copa do Brasil, a investigação relata uma disputa entre duas companhias de marketing esportivo pelos direitos da competição a partir de 2013. Essa disputa teria se encerrado em um acordo celebrado em agosto de 2012. Vejam o trecho que relata o acordo entre Hawilla e o Co-Conspirador #6, concorrente da Traffic, que disputava os direitos da Copa do Brasil.

Deputado João Henrique emite nota e esclarece citação do seu nome na Operação Sete Chaves

Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica Parada Gay de Monteiro é cancelada após duras críticas da Igreja Católica

O Deputado JOÃO HENRIQUE DE SOUZA vem a público se manifestar sobre a operação SETE CHAVES, que o Ministério Público Federal, por meio da Procuradoria da República em Patos/PB, e a Polícia Federal deflagraram na Paraíba, Rio Grande do Norte, Minas Gerais e São Paulo, no dia 27/5/2015, com o objetivo de combater e desarticular organização criminosa que agia na extração ilegal e comercialização da turmalina Paraíba.

O processo tramita em segredo de justiça, mas o Deputado pode adiantar e esclarecer que é sócio e representante legal da empresa Paraíba Tourmaline Mineração LTDA., devidamente estabelecida há mais de 15 (quinze) anos, a qual é SUPERFICIÁRIA (proprietária, com escritura pública do Cartório de Registro de Imóveis) e TITULAR DE CONCESSÃO DE LAVRA para TURMALINA e CAULIM em uma área de 242,92 hectares, localizada na zona rural do Município de Salgadinho, Estado da Paraíba, conforme os exatos termos da Portaria n. 407/2002, de 9 de setembro de 2002, do Ministério de Minas e Energia.

A LAVRA foi concedida à empresa do Deputado pelo Ministro de Minas e Energia desde 2002, diante da aprovação do RELATÓRIO DE PESQUISA e do PLANO DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DA JAZIDA (PAE). O “PAE” está atrelado ao RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DA SUBSTÂNCIA MINERAL aprovado pelo DNPM, e apresenta um estudo técnico-econômico da lavra e do beneficiamento da substância mineral que ocorre na área pleiteada já sob a forma de uma JAZIDA.

Portanto, a empresa do Deputado está completamente regular perante a RECEITA FEDERAL e o DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral), sendo a única que dispõe de concessão de LAVRA para o minério Turmalina (que, na linguagem popular, é o documento legal que autoriza uma empresa a explorar, inclusive comercialmente, um minério específico).

Por isso mesmo, o Deputado apoia e contribuirá incondicionalmente com as investigações, porque também é vítima desses criminosos que vêm praticando o crime de LAVRA CLANDESTINA na região, através de empresas com ramificações em Parelhas, no Rio Grande do Norte, Governador Valadares, em Minas Gerais, Bangkok, Tailândia, Hong Kong, China, Houston e Las Vegas.

O Deputado João Henrique informa ainda que vem denunciando esses crimes ao DNPM desde 1998, o que se comprova através das várias petições das quais detém os comprovantes de protocolo junto à Autarquia Federal, cuja atual Diretoria-Geral vem sendo conivente com a atuação dessa quadrilha.

Aesa prevê nebulosidade variável nesta quinta na região do Cariri

chuvacariri3Os paraibanos deverão ter uma quinta-feira (28) com nebulosidade variável, com possibilidade de chuvas ocasionais, no Litoral, e esparsas, também com nebulosidade variável, nas regiões do Agreste e Brejo. Para as demais regiões, a exemplo do Alto Sertão e Sertão, a previsão é de apenas nebulosidade variável, sem indicativo de chuvas. As informações são da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa).

Ainda de acordo com a Aesa, o Litoral deverá registrar máxima de 30º C e mínima de 22º C. Para o Agreste, a previsão é que a máxima chegue aos 30º C e a mínima, aos 21º C. Para o Brejo, a máxima deverá atingir os 29º C e a mínima, os 21º C.

A região do Cariri/Curimataú, que também deverá ter uma quinta-feira com nebulosidade variável, a máxima deverá atingir os 34º C e a mínima, os 21º C. Para o Alto Sertão, a Aesa prevê que a temperatura máxima seja de 34º C e a mínima, de 21º C. O Sertão deverá registrar máxima de 35º C e mínima de 22º C.

Para esta quarta-feira (27), a previsão é de nebulosidade variável com chuvas ocasionais no Litoral e de chuvas esparsas e nebulosidade variável nas regiões do Agreste, Brejo e Cariri/Curimataú. Alto Sertão e Sertão deverão ter nebulosidade variável sem indicativo de chuvas.

[+]   POSTAGENS