prefeitura
::Ruy Dantas, Paulo Neto e Fábio Bernardo estreiam novo programa na 89 Rádio Pop ::Mais uma pré-candidata a vereadora deixa a oposição e adere a chapa governista em São José dos Cordeiros ::Monteiro registra mais três casos de Covid-19 ::Preços do etanol e gasolina no mês de junho na PB são os menores do NE ::João Azevêdo anuncia nesta segunda a retomada de obras suspensas na pandemia, novas licitações e ordens de serviço ::Anchieta Anastácio confirma pré-candidatura a prefeitura de Livramento ::Redução de remuneração de servidores da Paraíba é proibida ::Inmet emite alerta de baixa umidade para 105 municípios da Paraíba ::MPPB iniciará retorno gradual das atividades presenciais no dia 20 de julho ::Prata confirma segundo caso de Covid-19 Malves Supermercados

A QUOTA DOS PARENTES

(16/02/2014)

Por Ramalho Leite

ramalholeitepequenaNos concursos públicos fica obrigado a reserva de um percentual de vagas para os portadores de deficiência física. Algumas universidades já adotam quotas para negros nos vestibulares. Tudo isso é feito em nome da não discriminação. Na minha opinião se trata de discriminação explícita e consentida. Um privilégio! No outro viés, discriminar parente de agente político, constituído pelo voto ou por nomeação, pode. É politicamente correto. Ninguém defende quotas para parentes.

É também privilégio, nepotismo é o nome da moda.

Não vejo diferença entre a nomeação de um cidadão qualquer e um cidadão parente da autoridade que nomeia. O defeito está na origem legal da nomeação. O titular de cargo comissionado é de livre escolha e sua demissão depende exclusivamente da vontade de quem o nomeou. Daí, o cargo serve para qualquer um, seja parente ou aderente, negro, amarelo ou índio.

Não vejo também qualquer distancia entre a nomeação de um parente, por que é parente e a nomeação de um amigo, por que é amigo e de um cabo eleitoral, por que tem votos. Mais uma vez, o defeito vem da liberdade conferida a quem nomeia. Mas quando se noticia no radio, na TV ou nos jornais, se fala em “nomeação de parente sem concurso”. Não se esclarece que é a lei que permite esse tipo de nomeação sem qualquer discriminação a parente, negro, branco, católico ou protestante.

Pedro Gondim costumava dizer que é difícil a situação do político. “Se não nomeia um parente, é ingrato. Se nomeia, é corrupto”. Burity no primeiro Governo prestigiou os cunhados. “Nesse Governo quem não é cunhado é coitado” dizia Eilzo Matos. No Burity II, os sobrinhos já crescidos tomaram conta e surgiu novo “slogan” da oposição: “Quem não é sobrinho, é coitadinho”. Clovis Bezerra, instalou os genros no Governo e eu não perdoei: “Instalou-se a genrocracia”. Robson Espínola se irritava: “só é contra parente quem não os tem”. Agripino nos comícios proclamava: “Eu não gosto de parente”. Faltou dizer: dos outros…

O interessante é que quando o sujeito entra na política sua primeira referencia é a família. Os familiares são os cabos eleitorais natos.Morrem de trabalhar para eleger o parente ilustre. E depois de eleito, a ordem é chutar os parentes? Família é eterna, e Rui Carneiro, o velho, já dizia: “é instituição divina”. Os amigos dos políticos são passageiros. Político não tem amigos, tem instantes de amizade. A amizade dura por um mandato e raramente se prolonga depois dele. A família não, é permanente. No fim da vida, sem mandado e sem poder e conseqüentemente, sem amigos, se o político não contar com a família, vai sozinho pro cemitério. Vai faltar quem leve o caixão.

MICASSÁRIO

Engana-se quem pensa ser da autoria da crônica social a invenção dos aniversários fora de época e com convites pagos, os chamados micassários. O cabo Bezerra, destacado no antigo distrito de Sossêgo, hoje cidade, (onde tirou o sossêgo de muita gente, segundo o então deputado Evaldo Gonçalves) e, depois, delegado do Casserengue, é quem merece esse crédito. Mesmo quando comemorava o aniversário em ambientes abertos, tipo campo de futebol, ele arranjava um jeito de ressarcir os gastos da festa. Bastava uma ordem sua.

– Só assiste ao jogo quem levar uma garrafa vazia.

Depois vendia as garrafas e pagava a festa.Se a festa fosse na sua casa, na entrada, se deixava a garrafa ou o presente. Em uma dessas festas, eu e o então prefeito Arnóbio Viana levamos duas garrafas de whisky de presente, de olho no seu conteúdo. Lêdo engano, além de só aparecer cachaça na mesa, a conta foi recheada, inclusive, com a despesa da policia que garantia a tranqüilidade da festa.

Nós pagamos o primeiro micassário… (DO Livro, Em Prosa e no Verso)

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em A QUOTA DOS PARENTES