prefeitura
::Poeta monteirense faz apelo em redes sociais pedindo o fim da morosidade no judiciário ::Ricardo critica a reforma da Previdência: “aumenta a pobreza e não atende as necessidade do povo” ::Sumé promove 6ª Conferência Municipal de Saúde ::ANA regulariza mais 400 usuários que utilizam água de Boqueirão para irrigação ::Bandeira tarifária da conta de luz continua verde em março ::TCE-PB aprova contas de 2017 da Câmara de São Sebastião do Umbuzeiro ::Bolsonaro autoriza PB contratar empréstimo de US$ 50 milhões ::Prefeito de São João do Cariri pede licença do cargo para tratamento de saúde ::Raio atinge cerca e acaba matando quatro bois em fazenda no Sertão do Estado ::IMPERDÍVEL: Banda Magníficos lançará novo projeto no próximo dia 14 Malves Supermercados

As domingueiras festivas no Campo do Cajá

(17/12/2018)

Por Simorion Matos

É muito rica a história do futebol monteirense. Inicialmente é justo registrar que 3 prefeitos tiveram papel fundamental na história do esporte bretão em Monteiro: Inácio José Feitosa que fez o Campo do Cajá; Jorge Rafael de Menezes que construiu arquibancadas, vestiários e alambrados e doutor Chico Nóbrega, que implantou o gramado no estádio Feitosão.

Na formação dessa história tivemos a presença e o trabalho de grandes desportistas, a começar por Antônio Grosso e Manoel Pitelo. Depois vieram Saul Formiga, Jason Azevedo, Tobias di Pace, Romualdo Mayer, Braz Reginaldo da Costa (Brazinho), Walter Leite, Ju de Silva Brito, Josevá Leite, Israel Pereira de Almeida (Rael fumeiro), Dr, Vevé, Letácio Gonçalves, Inácio de Gino, Biu de Zé Petinho, Edvaldo Bezerra, Dr. Sérgio Bezerra e tantos outros.

As primeiras grandes batalhas no campo do Cajá começaram nos anos 60, envolvendo o Central Sport Club, de Saul Formiga e o Centro Esportivo Monteirense, de Jason Azevedo. Na época o campo do Cajá era fechado por cerca de avelóz. Aos domingos pela manhã era a vez da escolinha de Manoel Pitelo.

Em seguida foi criado o Tabajaras Esporte Clube e a AGA (Associação Guarany de Atletismo). A partir daí, uma grande rivalidade animou as tardes de domingo, pois rubro-negros e alviverdes se revezavam em bons jogos amistosos com equipes do interior pernambucano e do interior paraibano. Pelo menos duas vezes por ano os gigantes se enfrentavam no grande clássico do futebol caririzeiro.

Durante certo tempo existiu também a equipe do Varzeano. No tempo do prefeito Jorge Rafael de Menezes foi criado o Independente, treinado por Sabará. Com a fundação da Liga Monteirense de Futebol foram criadas várias equipes e a partir dos anos 90 passou a existir a Socremo, o Gavião do Cariri, que se profissionalizou e fez bonito no Campeonato Paraibano da Primeira Divisão.

Pelo nosso futebol, passaram atletas que fizeram a alegria nas domingueiras monteirenses. Muitos já se foram e outros permanecem vivos entre nós. Entre centenas de jogadores que pisaram o solo sagrado do Campo do Cajá, recordamos: Mário Fuba, Djalma, Chila, Nô, Pé de Lebre, Cici de Filó, Bague, Chiquinho de Heráclito, Nezinho Marreco, Luiz Zanata, Joelk, Bacurau, Gilson Jacaré, Edgar, Xã,Zezinho Maciel, Bada, Cabeção, Bezinho, Joaquim Lola, Ivonaldo, Feitosa, Rostand, Tadeu, João Monteiro, Beto, Célio, Janilson, Zé Orlando, Pelezinho, Givinha, Zenon, Nilson, Bambão, Aderaldo, Galego de Sumé, Gidelson, Zuqueira, Eugênio, Dedezinho, Toicinho, Zema, Cara Véia, Padinha, Zé Preto, Miranda, Marcolino, Juninho Petrolina, Silvano, João Carretão, Aluizio, Deca, Paulinho, Sulipa, Grande Otelo, Chico Mãozinha, Geovane, Toinho Sapo, Toinho Lola, Biu Catita, Serginho, Fischer, Alfredo, Pedrinho, Quinho, Zé Paulo, Naldeir, Ribamar, Edmilson, Diva, Givonaldo, Gato Prêto, Indú, Pantera, Balu, João Carlos, Vona e muito outros que permanecerão eternamente na memória de quem admira o futebol e a história de Monteiro.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em As domingueiras festivas no Campo do Cajá