homenagem ao dia das mulheres
::IX Festival de Cultura do Cariri – Zabé da Loca bate recorde de público em Monteiro ::LUTO: Adolescente vítima de acidente de moto em Monteiro tem morte cerebral ::Prefeitura de Sumé e Caravana Saúde Brasil realizam atendimentos no município ::NO CARIRI: Motoristas reclamam de buracos na rodovia estadual Antonio Mariz ::Alexandre Nero explica queixas de ‘falta de internet’ no Cariri ::Ligia reúne lideranças do PDT e recebe apoio para sua pré-candidatura ao governo ::Metade dos contribuintes da PB ainda não enviou declaração de imposto de renda ::Com vocês Clênio Nóbrega, o apartador de brigas da Globo… ::Criação de caprinos garante renda para famílias do Cariri ::Prefeitura de SSU proporciona diversão para alunos da Rede municipal de Ensino Malves Supermercados

BIBI ALEXANDRE – Por Zelito Nunes

(23/05/2017)

Bibi Alexandre é um cabra atarracado, forte e vermelho, que compra e vende bode lá pelas bandas de Ouro Velho, Mundo Novo, Tuparetama, por ali afora…

Gente boa, alegre e brincalhão, nunca gostou muito de briga, mas numa terça-feira , dia de feira no lugar, no meio de uma cachaçada, no bar de Mocinho, lá em Ouro Velho, entrou numa discussão sem motivo aparente e partiu para uma aventura sem futuro nenhum, com o negro Luizão, que tinha o dobro da sua altura, da sua coragem e era afeito às imbuanças do lugar.

Agarraram-se, rolaram pelo chão até que o negão começou a levar nítida vantagem, por ser mais novo e mais comprido e muito, muito mais ligeiro do que Bibi.

E tome cacete, rasteira e Bibi tentando só se defender, recuando e o tapa e a rasteira comendo no centro, o chapéu já tinha voado lá longe.

A platéia limitava-se a assistir, sem interferir e já tinha até torcida, quando Bibi não aguentou mais e “jogou a toalha”.

Não sem antes protestar:

– Ô povo covarde é esse de Boi Velho! Cadê os apartadô de briga daqui?

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em BIBI ALEXANDRE – Por Zelito Nunes