::SUMÉ: Banco do Brasil volta a funcionar ::Mais Véia que a Serra (parte 423) – Dos tempos do Tic-Tac ::Sumé firma convênio de R$ 3,5 milhões para obras de abastecimento d’água ::Ricardo entrega estrada Camalaú-São João do Tigre ::Aposentados são vítimas de novo golpe do cartão na Paraíba ::Wellington Roberto diz que PR não rompeu com RC ::Ricardo chega ao Cariri sem João Azevedo e cumpre agenda em duas cidades ::Justiça cassou 10 prefeitos por compra de votos e improbidade; um deles é do Cariri ::Homens armados roubam carro no Cariri ::Açude de Boqueirão recebe recarga de mais de 300 mil m³ após chuvas Malves Supermercados

BIBI ALEXANDRE – Por Zelito Nunes

(23/05/2017)

Bibi Alexandre é um cabra atarracado, forte e vermelho, que compra e vende bode lá pelas bandas de Ouro Velho, Mundo Novo, Tuparetama, por ali afora…

Gente boa, alegre e brincalhão, nunca gostou muito de briga, mas numa terça-feira , dia de feira no lugar, no meio de uma cachaçada, no bar de Mocinho, lá em Ouro Velho, entrou numa discussão sem motivo aparente e partiu para uma aventura sem futuro nenhum, com o negro Luizão, que tinha o dobro da sua altura, da sua coragem e era afeito às imbuanças do lugar.

Agarraram-se, rolaram pelo chão até que o negão começou a levar nítida vantagem, por ser mais novo e mais comprido e muito, muito mais ligeiro do que Bibi.

E tome cacete, rasteira e Bibi tentando só se defender, recuando e o tapa e a rasteira comendo no centro, o chapéu já tinha voado lá longe.

A platéia limitava-se a assistir, sem interferir e já tinha até torcida, quando Bibi não aguentou mais e “jogou a toalha”.

Não sem antes protestar:

– Ô povo covarde é esse de Boi Velho! Cadê os apartadô de briga daqui?

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em BIBI ALEXANDRE – Por Zelito Nunes