::EM MONTEIRO: Bandidos arrombam UBS, furtam objetos e ainda defecam na unidade ::Ministério Público pede arquivamento denúncia contra a prefeitura de Camalaú ::Secretaria de Cultura de Monteiro divulga mais atrações da VIII Mostra de Teatro e Dança ::Éden destaca ações de Branco Mendes para Sumé e reafirma apoio à reeleição ::João propõe concursos, Lucélio mais asfalto e Maranhão defende redução do estado ::Barroso é confirmado como relator de registro da candidatura de Lula ::As charges do dia… ::Caririzeiro morre em estrada que dá acesso à Santa Cruz do Capibaribe ::‘Só me tiram da campanha se me matarem’, diz Maranhão ::Dodge impugna candidatura de Lula a presidente da República Malves Supermercados

Cássio rejeitou oferta de caixa 2 da Odebrecht

(21/01/2018)
Cássio rejeitou oferta de caixa 2 da Odebrecht Cássio rejeitou oferta de caixa 2 da Odebrecht

De maneira firme e transparente, o senador Cássio Cunha Lima confirmou em depoimento, em Brasília, que rejeitou qualquer oferta de recursos de caixa dois da Odebrecht para a campanha ao governo do Estado em 2014. O próprio ex-diretor Superintendente da Bahia do grupo Odebrecht, Alexandre Barradas, admitiu, em acordo de delação premiada, que o senador foi o “único que relutou em relação ao caixa dois”.

Em depoimentos contraditórios, Barradas e o ex-executivo Fernando Reis dão informações desencontradas sobre uma suposta doação de R$ 800 mil para a campanha de 2014. A doação não apenas não ocorreu como o empresário Marcelo Odebrecht admite em gravações que, a certo momento, perdeu o controle das operações ilegais e descobriu que os próprios diretores estavam desviando recursos.

Cássio Cunha Lima diz estar tranquilo porque falta fundamento à acusação. “Reagi imediatamente à proposta. Fui claro desde o começo que não aceitaria doação eleitoral não contabilizada. Na campanha de 2014, houve uma doação pública e transparente no valor de R$ 200 mil do grupo Odebrecht. Adotei a postura que nos cabia, que foi recusar. E o próprio executivo da empresa disse que fui o único a resistir àquela proposta”, salienta.

Por fim, o senador lembra que há fortes contradições nas denúncias apresentadas até agora. “Fala-se que teriam entregue dinheiro a um tal de Luiz, que ninguém acha, e num hotel que o diretor não lembra qual foi. Como poderia ter sido feita a entrega de um valor tão expressivo em local que você não lembra?”, acrescentou.

Em respeito a legislação eleitoral o CARIRI LIGADO não publicará os comentários dos leitores. O espaço para interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições 2018 se encerrem.