prefeitura
::Saiba quem é a namorada de Lula, a socióloga Rosângela da Silva, a ‘Janja’ ::3° Seminário de Educação Inclusiva reúne mais de 15 cidades do Cariri em Gurjão ::Festa do Bode Rei contará com sistema de monitoramento por câmeras e Delegacia Móvel ::Criminosos roubam carro e agridem proprietário no Cariri; veículo é localizado ::PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização ::Ex-presidente Lula vai casar ::DEU NO BOIGA DO TIÃO: Chola, tocador, comprador de ovos, cachaceiro e agora personal ::Programação do São João de Taperoá, PB, tem Walkyria Santos e Sâmya Maia ::Banda Gente Boa lança EP gravado no Teatro Jansen Filho em Monteiro ::Desculpem o desabafo – Por Tião Lucena Malves Supermercados

Saiba quem é a namorada de Lula, a socióloga Rosângela da Silva, a 'Janja'

Banner Coringa Banner Coringa

3° Seminário de Educação Inclusiva reúne mais de 15 cidades do Cariri em Gurjão

PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização

Na última sexta-feira (17), a cidade de Gurjão foi palco pelo 3° ano seguido de mais uma edição do ‘Seminário de Educação Inclusiva’. o evento educacional reuniu profissionais da educação de mais de 15 cidades da região do Cariri paraibano, e teve o objetivo de oportunizar o compartilhamento das experiências vivenciadas e tendências sobre o tema, visto a necessidade constante de capacitar para uma educação mais inclusiva e diversa.

Estiveram presentes na abertura oficial o Prefeito Ronaldo Queiroz, Jane Erika (Educação), Fabio Coutinho (Infraestrutura), Diego Gurjão (Turismo), Orlando Jr (Des. Rural), Myrna Amaral (Sub. Secretária) e os vereadores Elizete, Marcelo Farias, Junior Moraes e Diogo Coutinho, além do palestrante Morib Macedo.

O Prefeito Ronaldo Queiroz fez a abertura oficial e disse, que vem buscando sempre oferecer uma formação comprometida com a construção da escola inclusiva, com base nos valores democráticos e éticos, nos termos do respeito às diferenças e do enfrentamento do preconceito e discriminação nos ambientes escolares, o que cria condições especiais para o desenvolvimento científico e aproximação da academia à realidade educacional. “Na nossa gestão em Gurjão o tratamento é igualitário sempre pensando no bem comum do próximo e esse seminário expandimos para todas as cidades através da AMCAP para mostrar como se geri educação inclusiva”, afirmou.

O evento contou com duas partes. A primeira foi a palestra com o renomado jornalista Morib Macedo, que proferiu sua palestra magna “Você é a sua escola”, e finalizado a primeira parte, pela manhã, foi realizada uma mesa redonda, tendo como tema ‘Direito à Diversidade: Metodologias e Práticas Multidisciplinares’, tendo como palestrantes Arthur Marinho (Prof.º Substituto da UEPB e mestre em Filosofia pela UFPE), Emille Burity Dias (Psicóloga, Psicopedagoga, Mestre e Doutoranda em Neurociência Cognitiva e Comportamento), Ana Paula Borges Laurindo (Psicóloga, Pedagoga e Especialista em Educação Inclusiva), e Michelle Mayra Palmeira Cordeiro (Pedagoga, Especialista em Psicopedagogia Institucional e Clínica).

Irllem Chriscyan Alexandrino Ribeiro de Melo – Psicóloga, Neuropsicóloga e Especialista em Transtornos do Desenvolvimento e do Espectro Autista. Coordenação: Carolina Albuquerque – Prof.ª Substituta da UEPB e mestre em Antropologia pela UFPE , e durante a tarde foram realizadas as oficinas a Oficina 1: “O uso do lapbook para adaptar e incluir”. – Emille Burity Dias Oficina 2: “Educação e diversidade étnico-racial: um desafio à escola”. – Ana Paula Borges Laurindo Oficina 3: “Oficina de ideias: O processo de desenvolvimento de recursos pedagógicos adaptados”. – Michelle Mayra Palmeira Cordeiro. Oficina 4: “Utilizando o método sinapse para identificar as potencialidades dos alunos com deficiência” – Irllem Chriscyan Alexandrino Ribeiro de Melo Oficina 5: “Vozes anoitecidas”: uma discussão sobre corpo, subjetividade e educação inclusiva – Carolina Albuquerque Oficina 6: “(Re) conhecendo a importância de conteúdos filosóficos na prática da escola inclusiva”. – Arthur Marinho.

Festa do Bode Rei contará com sistema de monitoramento por câmeras e Delegacia Móvel

Banner asfalto

Criminosos roubam carro e agridem proprietário no Cariri; veículo é localizado

PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização

PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização

A equipe do governo Jair Bolsonaro (PSL) estuda formas de estimular a concorrência em um eventual regime de capitalização para a Previdência.

Nesse sistema, cada trabalhador tem uma conta individual para poupar recursos que irão bancar a aposentadoria.

O regime foi lançado na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que muda as regras de aposentadorias e pensões, mas ainda não foi detalhado pelo governo.

Se aprovar a PEC de Bolsonaro, o Congresso dá uma autorização para a troca do regime previdenciário, mas os detalhes precisarão ser aprovados em um novo projeto de lei, que ainda não tem prazo para ser apresentado.

Em meio ao impasse na articulação política, o presidente da comissão especial, Marcelo Ramos (PR-AM), disse na sexta-feira (17) que a Câmara estuda apresentar uma reforma alternativa. Há resistência ao novo regime no Congresso.

O objetivo da equipe econômica capitaneada pelo ministro Paulo Guedes é reduzir as taxas cobradas por instituições financeiras, que poderiam corroer os rendimentos dos trabalhadores.

Uma das possibilidades em análise é permitir que a instituição financeira apenas guarde os recursos —a chamada custódia— e o próprio trabalhador possa fazer a gestão dos investimentos.

Dessa forma, técnicos do Ministério da Economia esperam que a taxa a ser cobrada seja entre 0,1% e 0,15% do total investido —bem abaixo das taxas de administração de 1% a 4% praticadas atualmente no mercado.

O governo está estudando como isso poderia funcionar.

Para usar esse modelo, o trabalhador teria, por exemplo, que operar de acordo com limites a serem definidos por órgão regulador.

Está em estudo que a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) determine regras para esse investimento.
A ideia é impedir que o empregado, movido pelo apetite de alto rendimento, arrisque o dinheiro guardado para a aposentadoria.

Assim, haveria travas, por exemplo, de 30% para aplicações em Bolsa de Valores e 20% para fundo imobiliário.

Poupar para aposentadoria, lembram integrantes da secretaria de Previdência do ministério, exige-se cautela e é um trabalho de longo prazo.

Por isso, a taxa cobrada pelas instituições financeiras faz tanta diferença. Um técnico conta que o valor final do benefício pode ser 30% menor comparando o efeito de taxas administrativas anuais de 1% e 2%.

Para evitar a formação de cartel no mercado previdenciário, o governo previu também que entidades públicas possam operar no setor da capitalização.

As medidas são uma forma de contra-atacar o discurso da oposição de que a troca do atual sistema da Previdência Social para o de contas individuais seria um cheque em branco para os bancos.

A equipe econômica diz que a substituição para a capitalização é para que os juros passem a trabalhar a favor da poupança dos trabalhadores, além de reduzir o déficit da Previdência Social, que tem pressionado as contas públicas.

Só em 2018, a Previdência fechou com um rombo de R$ 195,2 bilhões —ou seja, o Tesouro precisa complementar os recursos para garantir o pagamentos de benefícios.

O governo ainda estuda qual poderia ser a alíquota paga pelos empregadores para bancar as aposentadorias dos empregados, a chamada contribuição patronal.

Guedes já defendeu que os empresários não deveriam pagar essa taxa, o que, segundo ele, reduziria o custo da mão de obra e estimularia a geração de empregos em um momento de crise econômica no país.

Essa, no entanto, é uma ideia rejeitada por grande parte da Câmara dos Deputados. Congressistas temem que, sozinho, o trabalhador não consiga acumular dinheiro suficiente para se aposentar. A reforma, neste momento, está em debate em comissão especial da Casa.

Integrantes da equipe de Guedes também querem que os empregadores sejam obrigados a pagar a alíquota.

A proposta enviada por Bolsonaro prevê apenas a possibilidade da contribuição patronal, mas não a exigência. Ela poderá ser opcional.

Para decidir sobre a alíquota, o time de Guedes espera a decisão do Congresso sobre as diretrizes da capitalização.

Porém, há várias opções na mesa: 7,5%, 8,5% ou 11%. Hoje, as empresas, exceto as que têm incentivo fiscal, pagam 20% sobre a folha de salários para a Previdência. Guedes quer reduzir essa tributação.

Os patamares mais baixos —7,5% e 8,5%— são usados como referência, pois são os valores aplicados no fundo de previdência dos servidores públicos federais, que entrou em vigor me 2013.

O relator da reforma da Previdência, Samuel Moreira (PSDB-SP), diz que um regime de capitalização sem a parcela patronal é insustentável.

Para o deputado, o atual sistema de aposentadorias e a eventual capitalização precisam ter a mesma alíquota de contribuição patronal.​

Segundo o governo, a capitalização deverá valer apenas para quem ainda vai entrar no mercado de trabalho. A proposta prevê ainda que esse sistema seja opcional —uma vez feita a escolha, não há volta.

Ou seja, mesmo os jovens poderiam escolher pelo atual regime, o de repartição, no qual os trabalhadores que estão na ativa bancam os benefícios de quem já se aposentou.

Ex-presidente Lula vai casar

PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização

O ex-ministro Luiz Carlos Bresser Pereira revelou no sábado (19), em uma postagem no Facebook, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está apaixonado e vai casar assim que sair da prisão.

A confissão de Lula foi feita a Bresser na última quinta-feira, durante uma visita na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR), onde o ex-presidente está preso desde abril do ano passado.

“Ele está em ótima forma física e psíquica”, escreveu Bresser no texto chamado “Visita a Lula na prisão”. Segundo o ex-ministro, a grande preocupação do petista no momento é com a defesa da soberania brasileira e sua maior demanda é “ter reconhecida sua inocência”.

Logo após escrever sobre as apreensões do ex-presidente, Bresser falou sobre o novo amor.

“Está apaixonado e seu primeiro projeto ao sair da prisão é se casar”, disse.

Segundo o jornalista Guilherme Amado, colunista da revista Época, a namorada visita Lula com frequência na cela da Polícia Federal e tem por volta de 40 anos. O ex-presidente tem 73.

Lula é viúvo há pouco mais de dois anos. A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva morreu em fevereiro de 2017, aos 66 anos, após um Acidente Vascular Cerebral.

Na entrevista concedida à Folha e ao jornal El País, em abril, o ex-presidente chegou a dizer que adoraria estar em casa com sua mulher, filhos, netos e companheiros.

No texto no Facebook, além de contar que o ex-presidente está apaixonado, Bresser afirma que o grande projeto de Lula é negociar um acordo nacional em defesa dos trabalhadores e das empresas.

“Foi uma honra ter sido convidado por Lula para visitá-lo”, diz o ex-ministro. “Ele estava mais interessado em discutir a crise atual do que ideias. Disse-me que quando sair da prisão vai me convidar para um almoço só para me ouvir falar sobre câmbio”.

Bresser deu ao ex-presidente o seu livro “A Construção Política do Brasil”, onde afirma que ele fez um belo governo, mas errou ao deixar o juro alto e o câmbio apreciado.

O ex-ministro defendeu a liberdade de Lula e afirmou que a política brasileira precisa de “um líder sem ressentimentos” e que lute por um grande acordo nacional necessário para o país sair da crise.

DEU NO BOIGA DO TIÃO: Chola, tocador, comprador de ovos, cachaceiro e agora personal

Sempre que posso me ocupo de Chola, o mais eficiente auxiliar que tive nessas minhas andanças pelo interior chefiando gerências da Procuradoria Geral do Estado.

Além de auxiliar o chefe, Chola se apresenta como exímio instrumentista. Toca violão que dá gosto, e canta como todo bom monteirense o faz.

Chola é uma das incontáveis saudades que guardo de Monteiro.

Hoje ele se ocupa de outras coisas além das que que já ocupavam seu tempo.

Virou personal trainer.

Segundo Geordim Tampa de Furico, o problema de Chola será o regime.

Ele não abre mão de sua cachaça com mocotó e pirão apimentado de farinha.

Mas para Chola nada é difícil.

Que o diga o Procurador do Estado Venâncio Viana de Medeiros Filho, o Venancinho.

Atual chefe da Procuradoria em Monteiro, Venâncio encarregou Chola de lhe arrumar ovos de capoeira.

Chola arrumou tantos que Venâncio, de tanto comê-los, enjoou.

Eu até me lembro de ter registrado, na época, essa história dos ovos.

Contei-a assim:

Os ovos de Venancinho que Chola pegou no sítio

Novo adepto da alimentação naturalista, o Procurador do Estado Venâncio Viana de Medeiros Filho determinou ao seu secretário particular em Monteiro, Chola Morato, que comprasse todos os ovos de capoeira que encontrasse na zona rural do municipio.

E o eficiente Chola caiu em campo.

Profundo conhecedor dos sítios e quintais monteirenses, para ele não foi difícil comprar 44 ovos na semana passada, que foram transportados por Venâncio e comidos num final de semana.

Chegando lá hoje, Venâncio quís mais, muito mais. E Chola arrebatou 63 de capoeira legítimos, saídos de galinhas ciscadeiras dos terreiros de Nanado Alves, Fred Menezes, Eduardo Mayer , Fátima Ventura e de um compadre de Morato, da zona rural, este último o fornecedor mais destacado.

E foi dele que Chola transmitiu ao Procurador/consumidor o seguinte recado:

-Diga a seu doutor que tenha pena das minhas galinhas, pois as pobres estão com as beiradas do cu assadas de tanto botar ovo pra ele”.

Banner Câmara

Programação do São João de Taperoá, PB, tem Walkyria Santos e Sâmya Maia

A programação do São João 2019 de Taperoá, no Cariri da Paraíba, terá atrações como Walkyria Santos e Sâmya Maia. O ‘São João lá no Meu Taperoá’ acontece entre os dias 21 e 24 de junho. Além da programação de shows de artistas consagrados, artistas locais se apresentam no evento.

A abertura da festa junina vai ficar por conta do cantor Adriano Silva, que se apresenta na noite do dia 21 de junho. Além dele, a dupla Ginildo e Ginaldo completam as atrações da noite.

No sábado, 22 de junho, Sâmia Maya sobe ao palco para animar o segundo dia de festa. Os artistas locais Wagner Viana e Dida Pachequinho também participam da festa.

No domingo, 23 de junho, véspera de São João, a programação de shows conta com os cantores Henry Freitas, Bebeu Silva e a banda Coração Bandido.

O quarto dia de festa, 24 de junho, reúne as atrações Walkyria Santos, Humberto Guedes e Inaldo e Forrozão, que encerram a festa junina na cidade.

Programação do São João 2019 de Taperoá

21 de junho (sexta-feira)

Adriano Silva
Ginildo e Ginaldo

22 de junho (sábado)

Sâmya Maia
Wagner Viana e Dida Pachequinho

23 de junho (domingo)

Henry Freitas
Bebeu Silva
Coração Bandido

24 de junho (segunda-feira)

Walkyria Santos
Humberto Guedes
Inaldo e Forrozão

Banda Gente Boa lança EP gravado no Teatro Jansen Filho em Monteiro

“Gente Boa Amor & Forró” é o título do nodo EP gravado pelo reconhecido grupo de forró da região do Cariri paraibano. O grupo Gente Boa escolheu o Teatro Jansen Filho para pano de fundo de belas canções.

O EP foi lançado nas plataformas digitais com composições inéditas.

A Banda

GENTE BOA, a banda de forró foi fundada em novembro de 2000, tendo sua estréia em maio de 2001. Fundada na cidade Monteiro no Cariri paraibano, por três jovens residentes naquela região: Marconi Andrade, Osmando Silva e Bhira Mariano, sendo os dois primeiros da cidade de Monteiro e o último da cidade de Camalaú.

Eles decidem no final do século fundar um grupo que ao longo de sua carreira trihou o caminho do forró autêntico, mas sempre antenados com outros estilos contemporâneos brasileiros, já os integrantes da antiga e nova formação têm outras influências não só do forró autêntico, mas também de toda a música popular brasileira.

O nome dado a banda faz alusão a um termo bem usado no linguajar do povo nordestino: “e aí gente boa!” “fulano é gente boa”; mas escolha do nome da banda ainda teve outras duas opções, que era SOL PE DE SERRA e OS MENINOS DE MONTEIRO.

Confira o vídeo:

Desculpem o desabafo - Por Tião Lucena

Foi, não foi, aparece alguém aqui afirmando que tomo posições no blog para me manter num cargo comissionado.

Os que recebem minhas críticas apelam para isso.

Dizem que bajulo o governante para me manter no poder.

Eles confundem lealdade com subserviência.

Idiotas, não sabem eles que, dentre os que podem ser apontados como dependentes de um cargo passageiro, eu sou talvez o único em situação bem diferente.

Eu sou funcionário público estadual com mais de 40 anos de batente.

Comecei como jornalista de A União, passei pela Defensoria Pública onde ocupei o cargo de Defensor Público na última letra da carreira e hoje sou Procurador do Estado da Classe Especial, ou seja, estou no topo , na última letra, o equivalente a Desembargador se eu fosse magistrado ou a Procurador de Justiça, se pertencesse ao Ministério Público.

Bem diferente dessa meia dúzia que me acusa.

Tenho a absoluta convicção de que cargo comissionado é coisa passageira.

Já estive em vários e dos vários saí de cabeça erguida. E depois de sair, continuei a viver.

Fui Juiz Classista do Tribunal Regional do Trabalho.

Fui chefe da Assessoria de Imprensa da Legião Brasileira de Assistência – LBA.

Fui Secretário de Comunicação da Prefeitura de João Pessoa na gestão de Chico Franca.

Fui Procurador Chefe do Detran.

Fui Presidente da Comissão Permanente de Inquérito da Secretaria da Segurança Pública na gestão do magistrado Marcos Benjamin.

Presidi a Comissão de Inquérito Administrativo da Secretaria da Receita na gestão de Milton Soares.

Fui Procurador Chefe da Secretaria da Cidadania e Justiça, nas gestões de Adalberto Targino, Roosevelt Vitta e Vital do Rego.

Fui Corregedor Geral da Procuradoria Geral do Estado.

Hoje estou Secretário Executivo de Comunicação do Estado, por convite de Ricardo Coutinho e mantido no Governo de João, também a convite do atual governador.

E deixarei de ser o que estou sendo com a mesma tranquilidade com que deixei de ser as outras coisas que fui.

Faculto a quem quiser vasculhar minha passagem por onde andei.

Mas duvido que esses mal amados que ficam a conversar merda nas redes sociais tenham coragem de fazer o mesmo.

Pronto, falei.

OAB-PB vê insalubridade em presídio que recebeu ‘presos especiais’

Banner Zabele

Empresário Robinho Pacheco em Monteiro

Revista que conta história do futebol amador do Cariri será lançada neste domingo

PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização

Será lançado neste domingo (19) o resultado da pesquisa sobre a história dos times de futebol amador da região do Cariri paraibano. No evento, que será realizado em Boa Vista, haverá o lançamento oficial da “Revista Fotográfica Conhecendo o Cariri: times de futebol amador”.

Idealizado pelo ativista cultural Flávio Alex Farias, natural de Boa Vista, o projeto que resultou com a edição da revista utilizou as citações e informações de mais de 2.500 pessoas de 46 municípios da região e reúne mais de 230 registros fotográficos, tornando-se o maior acervo sobre a temática.

“O trabalho de pesquisa foi longo e muito recheado de informações, o que resultou numa revista com um grande acervo e dados inéditos de todos os municípios que formaram o antigo Cariri paraibano” lembra Flávio Farias, coordenador do projeto “Boa Vista conta História” e chefe da divisão de cultura da Prefeitura Municipal de Boa Vista.

O projeto reúne alunos do ensino fundamental e médio de escolas públicas de Boa Vista e desenvolve a produção audiovisual com registros de depoimentos e personagens que marcaram a história e contribuíram para o fortalecimento da cultura e da sociedade da região. Apoiam este projeto a Prefeitura Municipal de Boa Vista e a Universidade Federal de Campina Grande, através da Profª Dra. Soahd A. R. Farias.

“Assim como Boa Vista, atletas de diversos outros municípios foram destaque no futebol e isso foi e ainda é motivo de muito orgulho para todos, este projeto reúne todas essas histórias de forma clara e completa de um esporte que é uma grande paixão nacional, e sendo este resultado fruto do trabalho de boavistenses o orgulho é maior ainda” revela André Gomes, prefeito de Boa Vista.

A cerimônia de lançamento ocorrerá na Câmara Municipal de Boa Vista e o Instituto Histórico e Geográfico do Cariri (IHGC) realizará uma homenagem aos pesquisadores/colaboradores de cada município e a ex-atletas que se consagraram destaques do esporte.

Homem é assassinado a tiros no momento em que chegava em casa em Monteiro

Jovem morre após colidir motocicleta em parede no Cariri

Banner Prata

Prefeitura de Ouro Velho adquire mais 05 computadores para o Conselho Tutelar

Roberto Santiago e Leto Viana são transferidos para penitenciária

Creas de Sumé celebra Dia Internacional contra a Homofobia

Lula responde a caririzeira que realizou festa de aniversário em sua homenagem

Após realizar a festa de 42 anos pedindo a liberdade do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, o presente da paraibana, de Boa Vista, no Cariri do estado, Evania Sousa, chegou na última quinta-feira (16) na forma de um bilhete, assinado por Lula de dentro da prisão, na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR).

“Para a querida Evania com carinho do amigo Lula”, escreveu o ex-presidente na foto da paraibana. No final, após datar o bilhete, Lula ainda escreveu “sem medo de ser feliz”.

A boavistense Evania Sousa carrega a esperança de ver o político solto e resolveu comemorar seu aniversário de forma diferente. Ciente da repercussão que teria nas redes sociais, positiva e negativa, ela conta que não imaginou que o fato pudesse chegar até o ex-presidente.

Estou aqui tremendo porque não é todo mundo que recebe um bilhete carinhoso do melhor presidente que o Brasil já teve.

Com Márcio Rangel

José Dirceu se entrega à PF para cumprir pena na Lava Jato

PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização PREVIDÊNCIA: Governo quer estimular concorrência entre bancos na capitalização

O ex-ministro José Dirceu se entregou à Polícia Federal (PF), em Curitiba, na noite desta sexta-feira (17) para cumprir pena de 8 anos e 10 meses pela segunda condenação dele na Operação Lava Jato.

Ele chegou à Superintendência da PF por volta das 21h30. Na tarde de quinta-feira (16), o juiz federal Luiz Antonio Bonat mandou prender o ex-ministro e estipulou que ele se entregasse até as 16h desta sexta.

No entanto, ele não obedeceu o prazo estipulado. A defesa alegou que Dirceu não cumpriu o horário estabelecido porque viajou de carro, de Brasília (onde mora) para Curitiba. Como manifestou disposição em se apresentar à PF, ele não foi considerado foragido após as 16h.

A determinação da prisão foi feita depois que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negou, por unanimidade, um recurso da defesa, que pedia prescrição da pena pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Mesmo com a prisão sendo executada, a defesa do ex-ministro ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os advogados também podem tentar um último recurso, chamado de embargos dos embargos, no próprio TRF-4.

Prazo
No fim da tarde, com o fim do prazo estipulado pelo juiz, a defesa entrou com uma petição no processo e informou que José Dirceu estava a caminho de Curitiba. No documento, os advogados ressaltaram que ele se apresentaria ainda nesta sexta-feira.

“Esclarece, contudo, que pela distância entre Brasília e Curitiba e pelo mau tempo, o condenado, que saiu de carro, durante a madrugada, da Capital Federal, não conseguirá chegar até as 16h. A Defesa não informou o provável horário de chegada, mas comprometeu-se a fornecer maiores informações assim que tiver uma previsão mais concreta”, disse o juiz em despacho.

Diante do pedido, Bonat informou que não caberia mais a ele aceitar o pedido por um novo prazo para que Dirceu se entregar. Segundo o juiz, a decisão cabe ao juiz da execução penal.

“Detalhes para a entrega do preso, inclusive quanto à dilação do horário para tanto, devem ser requeridos àquele Juízo, razão pela qual deixo de examinar o pleito da Defesa”, afirmou.

[+]   POSTAGENS