::Prefeitura de Zabelê prepara mega estrutura para receber cantor Thiago Brado ::Eleição para prefeito de Cabedelo será realizada dia 09 de dezembro ::Vazão do São Francisco para Boqueirão volta a ser impasse ::Preço da gasolina cai 2% nas refinarias a partir deste sábado ::PF cumpre mandado em Monteiro contra esquema de fraudes na previdência ::Prefeito de Coxixola decreta luto oficial pela morte do vereador Fábio Oliveira ::LUTO NO CARIRI: Vereador de Coxixola morre atropelado por carro na BR-412 ::Jovem é morto a tiros dentro de mercadinho em Monteiro ::Médico libera Jair Bolsonaro para debates ::STF decide pela proibição de pensões para ex-governadores da PB Malves Supermercados

DELAÇÃO DE PALOCCI: Lula recebeu U$ 1 milhão de ex-ditador libanês

(07/12/2017)
DELAÇÃO DE PALOCCI: Lula recebeu U$ 1 milhão de ex-ditador libanês DELAÇÃO DE PALOCCI: Lula recebeu U$ 1 milhão de ex-ditador libanês

A imagem foi captada no encontro da Cúpula América do Sul-África, que aconteceu na Venezuela em 2009. Lula era presidente do Brasil pela segunda vez e o ditador Muamar Kadafi ainda comandaria a Líbia por mais dois anos, antes de ser deposto, capturado e executado. Não é uma cena protocolar, como se observa no aperto de mão informal. A fotografia retrata dois líderes que se diziam “irmãos”.

Durante 42 anos, Kadafi governou a Líbia seguindo o protocolo dos tiranos. Coronel do Exército, ele liderou um golpe em 1969. No poder, censurou a imprensa, reprimiu adversários e impôs leis que permitiram punições coletivas, prisão perpétua, tortura e morte a quem contrariasse o regime. Dinheiro líbio também financiou grupos terroristas e movimentos políticos em vários cantos do planeta. Entre os que receberam recursos da ditadura líbia estavam, de acordo com o ex-ministro Antonio Palocci, o PT e seu líder máximo, o ex-presidente Lula.

A revelação de Palocci está contida na sua proposta de delação entregue ao Ministério Público. Segundo ele, em 2002 Kadafi enviou secretamente ao Brasil 1 milhão de dólares para financiar a campanha eleitoral do então candidato Lula. Fundador do PT, ex-prefeito de Ribeirão Preto, ex-ministro da Fazenda do governo Lula e ex-chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, Palocci esteve no centro das mais importantes decisões do partido nas últimas duas décadas.

Condenado a doze anos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, há sete meses ele negocia um acordo de delação premiada. Em troca de redução de pena, compromete-se a contar detalhes de mais de uma dezena de crimes dos quais participou. Um dos capítulos da colaboração trata das relações financeiras entre Lula e o ditador líbio — e tem potencial para fulminar o partido e o próprio ex-presidente.

Em respeito a legislação eleitoral o CARIRI LIGADO não publicará os comentários dos leitores. O espaço para interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições 2018 se encerrem.