prefeitura
::Monteirense Anniele Maracajá é destaque da Revista Sexy do mês de maio ::Bode na Rua 2019 será lançado no próximo sábado, em Gurjão ::Bandidos invadem residência e levam objetos e carro em cidade do Cariri ::IFPB de Monteiro oferece 20 vagas para Curso Técnico em Instrumento Musical ::Conselheiro do TCE-PB é alvo de nova fase da Operação Xeque-Mate ::Polícia desarticula quadrilha envolvida em tráfico de drogas em Juazeirinho ::Câmara de Monteiro recebe abertura da 7ª Semana de Enfermagem de Monteiro ::Agrovila começam a receber água 2 anos após retirada de terras para transposição ::Duas agências bancárias são explodidas na madrugada, na Paraíba ::Governo recua e publica novo decreto sobre armas Malves Supermercados

Edna Henrique defende trabalho integrado no combate à violência contra mulheres

(08/03/2019)
Edna Henrique defende trabalho integrado no combate à violência contra mulheres Edna Henrique defende trabalho integrado no combate à violência contra mulheres

A deputada federal Edna Henrique (PSDB) analisou os novos dados sobre violência contra a mulher no Brasil divulgados no dia 26 de fevereiro. O levantamento do Datafolha feito no mês passado foi encomendado pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e revelou que nos últimos 12 meses, 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no Brasil, enquanto 22 milhões (37,1%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio.

Segundo a pesquisa, entre os casos de violência, 42% ocorreram no ambiente doméstico. Após sofrer uma violência, mais da metade das mulheres (52%) não denunciou o agressor ou procurou ajuda.

Na opinião da tucana, o quadro é alarmante e precisa de atenção redobrada tanto dos agentes públicos, como da sociedade civil. “A Câmara aprovou nesta semana a criação de uma comissão externa para acompanhar os casos de violência doméstica contra a mulher e de feminicídio no país. Precisamos de todo tipo de mecanismo para coibir e punir agressores e dar mais proteção às mulheres”, disse.

A ideia é que a comissão visite os estados com maiores notificações de casos de violência contra a mulher: São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal.

Edna Henrique também defende campanhas de incentivo à denúncia. “É preciso fazer com que as mulheres tenham coragem de denunciar. Com a internet e as mídias sociais algumas já estão encontrando apoio e compartilhando suas histórias. Uma encoraja a outra”, completou.

Delegada de Polícia Civil há 30 anos, a deputada paraibana contou que já viu de perto muitos casos de agressões e que o acompanhamento psicológico do agressor é fundamental para que não haja reincidência nos casos. “Muitas vezes o homem que agride passa por algum transtorno. Na maioria dos casos o agressor é alguém íntimo da vítima, o que dificulta a denúncia. Convencer o autor da violência de que ele precisa de tratamento é o primeiro passo”, acrescentou.

Apoio

Atualmente as brasileiras contam com uma rede de atendimento que é composta por serviços especializados, como os Centros de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM) e os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS), e não-especializados, como os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS).

Existem também as Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (DEAMs), as Casas Abrigo, os Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, os Órgãos da Defensoria Pública, os Serviços de Saúde Especializados para o Atendimento dos Casos de Violência Contra a Mulher.

No entanto, Edna Henrique destaca que toda essa rede de apoio precisa funcionar porque mesmo com a existência dos órgãos os casos de violência continuam crescendo no pais. “Não basta criar novas leis e punições aos agressores sem que as estruturas de apoio às mulheres efetivamente funcionem para ajudar aquelas que precisam do poder público. Temos uma das melhores legislações e estruturas, mas tudo isso precisa funcionar bem”, concluiu.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em Edna Henrique defende trabalho integrado no combate à violência contra mulheres