prefeitura
::Polícia prende mais um acusado de envolvimento com morte de vereador no Cariri ::Espetáculo da Paixão de Cristo em Monteiro este ano apresenta diversas inovações ::Wellington assume liderança do PR e diz que partido não faz parte da base de Bolsonaro ::IPVA poderá ser pago nas casas lotéricas a partir de abril, na Paraíba ::Policial Militar caririzeiro é baleado no Pernambuco ::Educação do Campo realiza III Ciclo de Debate do Nupeforp ::Governo da Paraíba cria programa de transporte escolar para alunos da zona rural ::IBOPE: Aprovação do governo Bolsonaro cai 15 pontos ::Reforma da previdência dos militares prevê economia líquida de R$ 10,45 bilhões em dez anos ::STJ decide que homem deve pagar R$ 120 mil por transmitir HIV a ex-esposa Malves Supermercados

Ex-padrasto é condenado a 31 anos de prisão por estupro e morte de Rebeca

(01/03/2019)
Ex-padrasto é condenado a 31 anos de prisão por estupro e morte de Rebeca Ex-padrasto é condenado a 31 anos de prisão por estupro e morte de Rebeca

O cabo Edvaldo Soares da Silva foi condenado a 31 anos de prisão pelo estupro e morte da estudante Rebeca Cristina Alves, em 2011 , que na época era enteada dele. O julgamento durou mais de 12 horas e terminou no começo da madrugada desta sexta-feira (1º) . A pena vai ser cumprida em regime fechado.

Segundo a sentença, lida pelo juiz Marcos Wiliam, Edvaldo foi condenado a 10 anos de reclusão pela co-autoria do crime de estupro qualificado e a 21 anos pelo crime de homicídio qualificado. A defesa vai recorrer da decisão.

Caso de execução
“Não existe crime perfeito”, disse o promotor Marcus Leite, responsável pela acusação de Edvaldo Soares da Silva. Ele defende que o tiro na nuca atesta que se trata de um caso de execução. “A pessoa sabia o que estava fazendo”, diz. Marcus pede a condenação de Ednaldo por efetiva participação nos crimes de estupro e homicídio.

O promotor defende que não foi encontrado material genético de Edvaldo no corpo de Rebeca porque ele é adepto do coito interrompido, quando a relação sexual é interrompida antes da ejaculação, e também da prática do voyeurismo, quando o prazer se dá em observar o ato sexual de outras pessoas. Além disso, ele também retomou o debate sobre o fato apresentado por um dos peritos ouvidos durante o julgamento, que destacou o fato de Rebeca ter sido encontrada com as roupas íntimas, sinal de que o agressor tinha uma relação de afeto com a vítima.

Bode expiatório
Durante seu depoimento, Edvaldo negou ter matado Rebeca e disse que querem condená-lo para dar uma satisfação à sociedade e está sendo um bode expiatório do caso. Segundo o promotor, os delegados que passaram pelo caso relataram que Edvaldo costumava fazer tumulto na delegacia ao levar pessoas aleatórias para fazer exames de DNA, sempre os apontando como suspeitos do caso.

Parte da defesa de Edvaldo se baseou na tese de que as provas apresentadas não o ligam ao crime e também defendeu que o cliente está sendo usado como resposta para o crime. Além disso, o advogado Wagner Veloso, responsável pela defesa do réu, questionou a postura dos delegados responsáveis pela investigação. Ele também lançou suspeitas sobre o jovem que namorava com Rebeca, com quem ela teria conversando ao telefone durante cinco horas no dia anterior ao crime.

Estupro e morte
O crime aconteceu no dia 11 de julho de 2011. O corpo de Rebeca foi encontrado, no mesmo dia, na Mata de Jacarapé, às 14h30. A adolescente Rebeca tinha apenas 15 anos, quando foi estuprada e assassinada no trajeto entre sua casa e o Colégio da Polícia Militar, em Mangabeira VIII, Zona Sul de João Pessoa. Segundo o processo, o Cabo Edvaldo estaria acompanhado de indivíduo ainda não identificado, quando, em tese, teria praticado os crimes.

Segundo os autos, os crimes de homicídio e estupro foram comprovados pelos exame de corpo de delito. De acordo o laudo pericial, a causa da morte foi traumatismo cranioencefálico, decorrente de ferimento causado por arma de fogo.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em Ex-padrasto é condenado a 31 anos de prisão por estupro e morte de Rebeca