::MPE reforça entendimento contrário à realização de carreatas, passeatas e comícios na Paraíba ::Secretaria Municipal de Saúde de Monteiro informa sobre 04 novos casos de Covid ::Homem que morreu após fugir de bloqueio e atropelar policial nem Monteiro estava com arma ilegal ::Cidades da Comarca de Serra Branca não terão carreatas e comícios enquanto estiverem na bandeira amarela ::Defensoria Pública da Paraíba prevê concurso público em 2021 e revela déficit de 107 vagas ::TSE confirma liminar e mantém prefeito de Taperoá no cargo ::Governo do Estado publica regras para retorno às aulas presenciais na Paraíba ::Lei torna obrigatório teste de Covid-19 em doadores de sangue na Paraíba ::Propaganda eleitoral é liberada a partir deste domingo ::Presidiário de Pernambuco envolvido em oito homicídios é preso na Paraíba Malves Supermercados

Explosão em Beirute deixou ao menos 50 mortos e mais de 2.750 feridos, diz ministro

(04/08/2020)
Explosão em Beirute deixou ao menos 50 mortos e mais de 2.750 feridos, diz ministro Explosão em Beirute deixou ao menos 50 mortos e mais de 2.750 feridos, diz ministro Explosão em Beirute deixou ao menos 50 mortos e mais de 2.750 feridos, diz ministro Explosão em Beirute deixou ao menos 50 mortos e mais de 2.750 feridos, diz ministro Explosão em Beirute deixou ao menos 50 mortos e mais de 2.750 feridos, diz ministro

Uma grande explosão atingiu na tarde desta terça (4) a cidade de Beirute, capital do Líbano, levantando bolas de fogo e colunas de fumaça gigantescas e afetando construções a quilômetros de distância.

O ministro da Saúde, Hamad Hassan, disse que o incidente deixou ao menos 50 mortos, além de mais de 2.750 feridos.

Paredes de prédios foram destruídas, janelas quebraram, carros foram virados de cabeça para baixo e destroços bloquearam várias ruas, forçando feridos a caminhar em meio à fumaça até hospitais.

Segundo testemunhas, o estampido da explosão foi ouvido até na cidade costeira de Larnaca, no Chipre, a cerca de 200 km da costa libanesa.

Ainda não se sabe ao certo o que motivou o incidente, que ocorreu na zona portuária da capital, e se outras explosões aconteceram em Beirute.

Na primeira manifestação oficial do governo sobre o caso, o primeiro-ministro Hassan Diab decretou “um dia nacional de luto” nesta quarta (5).

Diab disse, em um discurso televisivo, que os responsáveis pela explosão vão ser pagar o preço.

“Eu prometo a vocês que essa catástrofe não passará sem responsabilização Os culpados vão pagar o preço”, afirmou. “Fatos sobre esse armazém perigoso que está lá desde 2014 serão anunciados.”

Já o presidente Michael Aoun convocou uma reunião de emergência com o Conselho de Defesa.

Georges Kettaneh, presidente da Cruz Vermelha Libanesa, citou “centenas de feridos” em um comunicado na televisão libanesa LBC e disse que muitas pessoas continuam presas em casas atingidas pelo fogo. Alguns estão sendo resgatados por barcos. “Estamos sobrecarregados pelos telefonemas”, disse.

Segundo a TV libanesa LBCI, um dos hospitais da cidade está tratando mais de 500 feridos e não tem capacidade para receber mais ninguém. Dezenas deles precisam de cirurgias.

Na frente de outro centro médico, dezenas de feridos, incluindo crianças, algumas cobertas de sangue, esperavam para serem atendidos, segundo a agência de notícias AFP.

A área portuária foi isolada pelas forças de segurança, que só permitem a passagem de agentes da defesa civil, ambulâncias e caminhões de bombeiros. Nas proximidades do porto, a destruição é enorme.

A mídia local transmitiu imagens de pessoas presas a escombros, algumas cobertas de sangue. “Os prédios estão tremendo”, publicou no Twitter um morador da cidade, dizendo que “todas as janelas do apartamento explodiram”.

“Vi uma bola de fogo e fumaça sobre a cidade. As pessoas gritavam e corriam, sangrando. Varandas foram arrancadas dos prédios. Vidros de prédios caíram nas ruas”, disse outra testemunha à Reuters.

Até agora, não houve relato de brasileiros feridos. O Líbano tem uma grande comunidade com relação com o Brasil: há mais descendentes e parentes de libaneses em solo brasileiro (entre 7 e 10 milhões) do que libaneses no país de origem (7 milhões).

A fragata brasileira Independência, nau capitânia da Unifil (Força Interina das Nações Unidas no Líbano), não estava no porto de Beirute na hora da explosão, mas no Mediterrâneo, patrulhando a região.

A embarcação leva cerca de 200 marinheiros. A Unifil foi criada em 2006 para verificar a retirada israelense do sul do Líbano e evitar o contrabando de armas por via marítima, após um dos inúmeros embates entre as duas partes nas últimas décadas.

O porta-voz da ONU Farhan Haq declarou a jornalistas que não se sabe se a explosão foi acidental ou provocada e que não há indicação de feridos entre os funcionários da organização.

Uma fonte do governo de Israel disse à agência de notícias Reuters que o país não tem relação com a explosão. O chanceler isralense, Gabi Ashkenazi, afirmou a uma TV local que a explosão foi provavelmente causada por um incêndio acidental.

Já o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, afirmou que o país ofereceu ajuda humanitária ao governo libanês por meio de canais diplomáticos.

Já o Pentágono declarou que os EUA estão cientes do ocorrido e “preocupados com a perda potencial de vidas devido a essa explosão tão grande”. O Departamento de Estado americano ofereceu “toda a assistência possível” aos libaneses.

O ministro de Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, também afirmou que o país está pronto para ajudar como for necessário.

O Líbano atravessa sua pior crise econômica em décadas, marcada por depreciação monetária sem precedentes, hiperinflação, demissões em massa e restrições bancárias drásticas, que alimentam há vários meses o descontentamento social.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em Explosão em Beirute deixou ao menos 50 mortos e mais de 2.750 feridos, diz ministro