sao joao
::Novo incêndio e de grandes proporções é registrado entre Serra Branca e Coxixola ::PREPARE O BOLSO: Preço do botijão de gás de cozinha deve chegar a R$ 75 ::ALPB já gastou R$ 1,2 milhão com locação de veículos, combustível e até com multas ::Festival do Mel chega à 10ª edição com novidades como a ‘Tardezinha do Mel’ ::Pesquisa aponta Cássio como 1ª opção de voto para o Senado ::Pauta do TCE-PB tem contas do Turismo, 13 Prefeituras e sete Câmaras ::Moradores da Zona Rural de Sumé aprovam gestão do prefeito Éden Duarte ::Nova ESA realiza 100 cursos em pouco mais de sete meses ::Haddad diz que não dará indulto a Lula se for eleito presidente ::Nova pesquisa aponta Maranhão com 29,8%, João com 23,5% e Lucélio 18,9% Malves Supermercados

Justiça Eleitoral cassa mandatos de prefeito e vice-prefeita de Pocinhos

(17/04/2018)
Justiça Eleitoral cassa mandatos de prefeito e vice-prefeita de Pocinhos Justiça Eleitoral cassa mandatos de prefeito e vice-prefeita de Pocinhos

A Justiça Eleitoral cassou os mandatos do prefeito e da vice-prefeita de Pocinhos, Cláudio Chaves Costa e Maísa Apolinário de Oliveira Costa, por compra de votos. A decisão foi proferida pelo juiz eleitoral Luiz Gonzaga Pereira de Melo Filho. O magistrado determinou novas eleições no município e a inelegibilidade dos gestores por oito anos.

Durante o período eleitoral do ano de 2016, os dois alvos da ação teriam cometido ilegalidades com fins eleitorais. Eles são acusados de captação ilícita de sufrágio e abuso de poder político e econômico. O prefeito e a vice teriam feito pagamentos em dinheiro, além de ter ofertado material de construção, empregos e exames médicos.

“No caso concreto ora em apreciação, ficou comprovada a reiteração do compromisso feito individualmente a diversos eleitores de doação de dinheiro ou outros bens, bem como a promessa de emprego nos quadros da prefeitura”, observa o magistrado, na sentença.

O juiz manteve o prefeito no cargo até o julgamento dos recursos perante o Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba. “Quanto aos efeitos da cassação, deve-se aguardar o trânsito em julgado ou o julgamento de eventual recurso interposto perante o egrégio Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba, com a consequente preclusão da matéria fática e probatória. Evita-se, com isso, sucessivas e indesejáveis mudanças na chefia do Poder Executivo municipal, o que geraria indiscutível efeito instabilizador na condução da máquina administrativa e no próprio quadro psicológico dos eleitores”, ponderou, em sua decisão.

Em respeito a legislação eleitoral o CARIRI LIGADO não publicará os comentários dos leitores. O espaço para interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições 2018 se encerrem.