prefeitura
::‘Deus me Livre’ de Campina Grande vence Torneio de Sinuca na cidade ::REGRAS ELEITORAIS: Senado recua de pontos polêmicos e aprova fundo eleitoral sem valor definido ::O REI NA CAPITAL: Roberto Carlos faz show em João Pessoa em dezembro ::Mais Véia que a Serra (parte 434) – Tabajaras 1974 ::Setembro Amarelo tem programação em diversos setores no município de Monteiro ::Bolsonaro sanciona mudança na Lei Maria da Penha ::Funesc leva espetáculo ‘Parahyba Rio Mulher’ ao Cariri paraibano ::ALPB propõe adoção de energia solar na transposição ::Sancionado Projeto de Lei que declara Festa da Padroeira de Sumé Patrimônio Histórico e Cultural ::Monteiro é segundo lugar no Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde Malves Supermercados

MARIZ, O COERENTE

(13/10/2015)

Por Ramalho Leite

ramalholeitepequena1O AMIGO VELHO Ernani Satyro , quando censurado por contestar o regime que ajudara a implantar e lhe exigiram coerência, respondeu bem humorado:“quem tem coerência tem idéia fixa e quem tem idéia fixa é doido”. Logo, não se exija coerência dos políticos, pois a política é dinâmica e muda como as nuvens, levando nos ventos das mudanças, os seus protagonistas. Antonio Marques da Silva Mariz, promotor de justiça, prefeito, deputado, senador e governador, não era adepto dessa teoria. O silogismo dele era outro e não partia de premissas falsas. Podia a política mudar, ele mesmo mudar de partido, mas não renunciava aos seus princípios. Estes eram imutáveis. Nos vinte anos da ausência de Mariz, muitas passagens de sua vida pública vieram à tona. Escolhi duas, que representam sua paixão pela coerência e firmeza de princípios:

O cenário era o gabinete do senador Humberto Lucena, em Brasília. Os aliados do governo e integrantes da bancada federal paraibana foram reunidos pelo ex-governador João Agripino. Agripino prometera ao presidente Sarney o apoio unânime de seus correligionários à tese dos cinco anos para o mandato presidencial que estava prestes a se findar.Passou essa informação aos deputados e foi ouvindo um a um. A maioria era a favor dos cinco anos, mas havia discrepâncias: João Agripino Neto, Cássio Cunha Lima e Antonio Mariz.

Agripino começou cobrando a posição do próprio filho. Agripino Neto reafirmou sua posição em favor dos quatro anos para o mandato presidencial, todavia, afirmou: “se o partido fechar questão, eu voto pelos cinco anos”. Chegando a sua vez, Cássio acompanhou a posição de Agripino Neto, apesar de defender o mandato de quatro anos, mas diante do “fechamento de questão”, não iria contrariar o partido. Mariz ouviu seus companheiros, contudo, não esperou ser cobrado: “Sou a favor dos quatro anos de mandato. Se o partido fechar questão, continuo votando a favor dos quatro anos”, encerrou o assunto. Fui testemunha da contrariedade de João Agripino.

Na batalha pela indicação para governador da Paraíba, pela via indireta, a ARENA estava dividida em dois blocos. O capitaneado pelo governador Ivan Bichara defendia a indicação do senador Milton Cabral e o outro queria a ascensão do deputado Mariz. Os ânimos ainda não estavam acirrados e os blocos dialogavam entre si. Conseguimos um encontro de Mariz e seus contestadores com a participação também dos que o apoiavam.

O cenário foi o antigo Elite Bar, de saudosa memória, em Tambaú, em frente à gameleira também desaparecida. A mesa que se formou era enorme, acomodando doze deputados de ambas as facções. Houve quem lembrasse a Ceia Larga, sem a presença do Cristo, mas com alguns candidatos a Judas. Pelos governistas falou o deputado Egidio Madruga expondo seus pontos de vista, mas asseverando que, pessoalmente, nada tinham contra o nome de Mariz. Como o processo de escolha era uma inc&o acute;gnita, qualquer um poderia ser escolhido, disse Egídio. Aquela reunião era para abrir o diálogo, por isso, “queremos saber, de logo, qual a sua posição com relação a nós que não o apoiamos, caso seja escolhido governador”? A resposta veio rápida, no estilo inimitável de Mariz:

– Se eu for governador, vou ensinar vocês a ser oposição durante quatro anos.

O desfecho desse episódio todos sabem: o escolhido para governar a Paraíba foi o professor Tarcisio de Miranda Burity.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em MARIZ, O COERENTE