prefeitura
::Acidente envolvendo ônibus da banda Aviões deixa um homem morto, no Cariri ::Paraibano acerta resultado do ‘Dia de Sorte’ e leva quase R$ 3 milhões ::STF adiará julgamento de suspeição de Moro no caso Lula ::Segundo dia de atrações do São João de Monteiro lota praça de eventos ::Moro cancela ida à Câmara para falar sobre conversas publicadas por site ::Famup defende políticas públicas de convivência com seca ::Sítio São Francisco abre os festejos juninos em Monteiro ::Monteiro abre São João com novo cenário; monteirenses e turistas aprovam a novidade ::Vereadores de Monteiro prestigiam abertura do São João e entrega de obras ao lado da prefeita Lorena ::Brasil goleia Peru por 5×0 e avança para as quartas da Copa América Malves Supermercados

O CRIME DE DILMA?

(31/03/2016)

Por Zizo Mamede

zizomamede1. Está lá na internet, a um clik, num dicionário etimológico, sobre a origem da palavra corrupção: “Antes de designar a venda ilegal de favores por representantes do poder público, corrupção é deterioração, decomposição física, apodrecimento. Corrupto vem do latim corruptus, particípio de “corromper”: é o corrompido, o podre, o que se deixou estragar.”

2. O teólogo Leonardo Boff faz uma arqueologia da palavra corrupção:
“Comecemos com a palavra corrupção. Ela tem origem na teologia. Antes de se falar em pecado original, expressão que não consta na Bíblia, a palavra foi criada por Santo Agostinho no ano 416 numa troca de cartas com São Jerônimo, a tradição cristã dizia que o ser humano vive numa situação de corrupção.”

“Santo Agostinho explica a etimologia: corrupção é ter um coração (cor) rompido (ruptus) e pervertido. Cita o Gênesis: “a tendência do coração é desviante desde a mais tenra idade” (8,21).

“O filósofo Kant fazia a mesma constatação ao dizer: “somos um lenho torto do qual não se podem tirar tábuas retas”. Em outras palavras: há uma força em nós que nos incita ao desvio que é a corrupção. Ela não é fatal. Pode ser controlada e superada, senão segue sua tendência.”

3. Segue outro verbete: de corrumpere, “destruir, estragar”, de com-, intensificativo, mais rumpere, “quebrar, partir, arrebentar”. Este substantivo representa tudo o que pode ser feito de mau por poucos para quebrar a esperança e o futuro de muitos.

4. No Brasil, a bandeira do combate à corrupção sempre é hasteada quando governos desenvolvimentistas estão em curso. Foi assim com Getúlio, Juscelino Kubitschek e João Goulart, sistematicamente acusado de corruptos. – Nenhuma acusação de prática de corrupção foi comprovada.

5. O combate à corrupção é bandeira desfraldada também para eleger super-heróis. Foi o grande trunfo de campanha de Jânio Quadros e de Fernando Collor de Mello – e foram efêmeros os seus governos. Como efêmeras foram as glórias políticas e a popularidade de Joaquim Barbosa, o Batman do combate à corrupção.

6. No tempo presente a corrupção é narrativa para desconstruir o presidente mais popular da história do Brasil. Lula da Silva está sendo caçado pela mídia e por setores do judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal. Procuram algo, qualquer coisa, mesmo que seja uma quinquilharia, para provar que Lula é corrupto.

7. Enquanto contra presidenta Dilma não há denúncia de corrupção pululam acusações de corrupção contra Eduardo Cunha, Temer, Aécio Neves, Alkmin, Serra, Agripino Maia, Paulinho da Força. O crime de que Dilma é acusada é mais sofisticado e inédito: prática de “pedaladas fiscais”. Não é de roubo, propina, contas secretas, sonegação fiscal.

Crime de pedaladas fiscais! – Você já parou para pensar nisto?

Faça seu comentário



Possui atualmente : 2 comentários em O CRIME DE DILMA?


  • Pedaladas Fiscais, não está tipificado no nosso Código Penal, as suas consequências estão aí, desemprego em alta, aumento dos combustívéis, e por aí vai, o governo atual forjou uma contabilidade positiva e tomou empréstimo por decreto e não com autorização do Congresso Nacional, caracterizado Crime de Responsabilidade e isso é Tipificado como crime.

  • A Dilma, nesse contexto, cai no item “3” deste artigo: quebrou o país e junto levou o sonho de milhões que acreditavam numa gestão honesta sem maquiagem na contabilidade, as famosas “pedaladas”.
    O articulista deveria deixar a paixão partidária e usar o bom senso.