sao joao
::Festival de Quadrilhas de Rua chega na reta final em Monteiro com recorde de casais ::Arraial das escolas municipais promovido pela Prefeitura de Zabelê é sucesso ::Paraibana assume a diretoria de Administração da Eletrobras ::Estado e todos os municípios paraibanos recebem R$ 457,60 mil do Fundeb ::Vice-prefeito confirma tradicional festa do Bairro do Brás, em Monteiro ::São João de Monteiro faz homenagem a Mariano Bezerra no Sítio São Francisco ::Prefeitura de Camalaú paga 1° parcela do 13º salário dos funcionários ::Vereador mais votado da história de São João do Cariri anuncia apoio a Batinga ::STJ restringe foro privilegiado de governadores ::Veículos de placa final 6 devem ter IPVA pago até dia 29 Malves Supermercados

O HUMOR DE IVAN BICHARA – POR RAMALHO LEITE

(01/06/2018)

O político e escritor Ivan Bichara Sobreira, cajazeirense do colégio Padre Rolim, estaria completando cem anos neste maio de 2018. As cidades onde atuou politicamente e as entidades que honrou com sua participação, uniram-se para a merecida homenagem. Estive na sessão conjunta da Assembleia e Câmara da capital, proposta pela deputada Camila Toscano e pelo vereador Milanez Neto. Ouvi vários discursos que enalteceram a figura do exemplar homem público. Facultaram-me a palavra e eu fui à tribuna, apenas, para preencher uma lacuna nas falas dos outros.

Esqueceram de lembrar a fina ironia e o humor, às vezes cáustico, de Bichara. Resolvi contar alguns fatos e agora vou repeti-los para os que me seguem neste espaço e nas redes sociais.

O líder do seu governo, (eu era vice-líder e iniciante na AL) deputado Evaldo Gonçalves, cansou de ouvir as queixas dos seus liderados sobre fatos do governo que levaram a bancada de sustentação ao descontentamento. Resolveu tratar do assunto com o chefe do executivo. Foi marcada uma reunião em Palácio. O governador, sentado em amplo sofá sob o quadro da prisão de Peregrino, tinha ao seu redor cerca de vinte deputados. Cada um apresentou seu queixume e o paciente Bichara apenas ouvia. “Ele sabia ouvir como ninguém” disse Germano Toscano, seu chefe de gabinete. Terminada a cantilena parlamentar, foi a vez do governador falar:

– Vocês não estão satisfeitos com o meu governo? Pois vou lhes confessar uma coisa: eu também não estou!

Os espíritos foram desarmados e as armas ensarilhadas…

Em uma de suas visitas ao Poder Legislativo, ficamos a lhe fazer sala no gabinete da presidência, enquanto não se iniciava o evento. Eu, Waldir dos Santos Lima, Edvaldo Motta, Sócrates Pedro e Orlando Almeida aproveitávamos para encaminhar alguns assuntos do nosso interesse. O deputado Sócrates Pedro, como se sabe, era cunhado do empresário Walter Brito proprietário da Real e, intermediário dos seus assuntos junto ao governo. No meio do papo, o deputado Orlando Almeida começa a narrar um fato que se passara em Campina Grande. Meio prolixo, Orlando demorava muito a concluir, buscando detalhes desnecessários. Impacientei-me e adverti o querido colega:

– Orlando, o governador é muito ocupado. Apressa essa conversa: para chegar em Campina você está arrodeando por Princesa Isabel…

O governador riu da minha pilhéria e fez a dele:

-Fala baixo, Ramalho, se não o Sócrates vai querer registar essa linha de ônibus…

Na campanha municipal de 1976, uma vereadora da capital, já sexagenária e sem muita disposição para a luta, procurou-o para pedir ajuda. Na conversa, lembrou ao governador que sua principal concorrente era uma linda jovem, quase dois metros e como muita disposição para pedir votos e, acrescentou:

-É uma luta desigual, dr.Ivan!

-Realmente é muito desigual, respondeu Ivan.

Sua incursão pela literatura nos deixou vários romances e ensaios, notadamente sobre José Lins do Rego, sua especialidade. Em um deles, não sei se Carcará ou Joana dos Santos, quase morro de rir com um personagem, casado com moça nova e recentemente saída do parto. A mulher procurou o médico levando a criança raquítica, mais parecendo um produto daqueles países africanos onde a fome é quem dá as ordens. O médico admirou-se da fragilidade da criança e destacou:

– A senhora com tanto leite e deixa seu filho nesse estado?

A resposta da aflita mãe, retrata o humor de Bichara, também presente na sua obra.

– Não sobra nada para a criança, doutor: meu marido bebe todo o leite!

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em O HUMOR DE IVAN BICHARA – POR RAMALHO LEITE