prefeitura
::Começam as vendas para Área Vip Premium do São João de Monteiro ::Governador sanciona lei que cria o dia da maconha medicinal na Paraíba ::João Azevêdo inaugura 27ª Ciretran neste sábado em Juazeirinho ::Prefeitura de Zabelê continua pavimentando ruas com recursos próprios ::Unidades de Saúde de Monteiro recebem avaliação “Ótima” e “Muito Boa” do MS ::Luan Estilizado e Saia Rodada em Sumé ::“Somos um governo parceiro do povo”, diz Celecileno durante evento ::TCE-PB rejeita contas de prefeitura ::DUPLA DA ‘LA CASA DE PAPEL’: PC concluí investigação que apurou série de roubos em Monteiro ::TJPB suspende pensão vitalícia de viúvas de políticos em cidade do Cariri Malves Supermercados

PF deflagra operação para investigar fraudes de R$ 1,6 mi contra o Ministério da Saúde

(27/09/2018)
PF deflagra operação para investigar fraudes de R$ 1,6 mi contra o Ministério da Saúde PF deflagra operação para investigar fraudes de R$ 1,6 mi contra o Ministério da Saúde

A Polícia Federal deflagrou, nesta quinta-feira (27), a Operação Raio X, que tem como objetivo apurar a possível ocorrência de fraude contra o Ministério da Saúde.

Equipes da Polícia Federal cumprem dois mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal de Campina Grande.

A operação tem por finalidade comprovar os indícios colhidos durante as investigações, indicando que um aparelho tomógrafo apresentado como de propriedade de uma fundação assistencial na área de saúde na verdade estaria instalado em uma clínica particular na cidade de Campina Grande.

Ainda durante as apurações conduzidas no bojo do inquérito instaurado pela Polícia Federal ficou constatado que a fraude teria causado prejuízos aos cofres públicos no montante de R$ 1.646.600,00.

O nome da operação faz alusão ao aparelho que teria sido adquirido mediante a fraude, um tomógrafo computadorizado, que pela emissão de Raio X consegue diagnosticar problemas de saúde.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em PF deflagra operação para investigar fraudes de R$ 1,6 mi contra o Ministério da Saúde