prefeitura
::Secretaria de Saúde de Monteiro promove evento da Semana Municipal de Enfermagem 2019 ::Presidente da Câmara de Monteiro participa de cavalgada e visita à santuário ::Prefeitura de Prata continua beneficiando famílias com entrega de alimentos ::Monteirenses tem até o dia 31 de maio para pagar IPTU 2019 com desconto ::Morre em Campina Grande o pai do deputado Wellington Roberto, aos 96 anos ::Bolsonaro vem ao Pernambuco na próxima sexta-feira ::Semana do Microempreendedor Individual começa nesta segunda em Monteiro e outras 20 cidades ::Ex-deputado Carlos Dunga defende prorrogação de mandatos de prefeitos e vereadores ::DEU NO BOIGA DO VAVÁ: Se recorda é viver, ontoce recorde o dia que Vavá da Luz foi delegado de ‘puliça’ ::Ferramenta obriga prefeituras da PB a divulgar dados financeiros Malves Supermercados

Poeta monteirense faz apelo em redes sociais pedindo o fim da morosidade no judiciário

(23/02/2019)
Poeta monteirense faz apelo em redes sociais pedindo o fim da morosidade no judiciário Poeta monteirense faz apelo em redes sociais pedindo o fim da morosidade no judiciário

O poeta Arnaldo Nunes Júnior, popularmente conhecido por Nal Nunes, utilizou as redes sociais para apelar pelo fim da morosidade do judiciário, o que tem prejudicado centenas de famílias e milhares de pessoas.

Relata o poeta: “Reúnam todos os advogados que trabalham nesta Comarca de Monteiro, façam um apelo aos nossos juízes para despachar nossos processos, o prejuízo dado em nome da morosidade é absurdo. Peçam ajuda a OAB e peçam também ao Tribunal de Justiça que faça jus ao dinheiro nosso que recebe a título de CUSTAS JUDICIAIS. Pagamos adiantado uma taxa exorbitante, sem ter direito ao resultado ou despacho do processo. QUANTAS FAMÍLIAS VIVEM A MERCÊ DE UM SIMPLES DESPACHO DE UM MAGISTRADO?”.

O reclame do poeta, segundo registro do mesmo nas redes sociais é descrito da seguinte forma:

“Minha família tem uma causa de apenas R$ 48.000,00 (quarenta e oito mil reais), que rola há eternos quatro anos, não existe contraditório, há um consenso entre as partes, todas as exigências foram atendidas. Já pagamos R$ 8.000,00 (oito mil) desse dinheiro que não recebemos. A metade para o advogado e a outra para o estado (Poder Judiciário) a título de custas judiciais daquilo que ainda não foi visto. Ou seja, o processo já foi concluso, entrou em provimento, falta apenas expedir os alvarás para sacar o dinheiro que se encontra depositado no Banco do Brasil e não tem jeito porque o magistrado ainda não teve tempo de dar o ar de sua graça assinando aquilo que já está concluído, por isso que às vezes não acredito em morosidade, não seria VONTADE o nome mais correto? E é porque o estado nos cobrou 10% do dinheiro que supostamente era ou é nosso. Num País desse somos condenados a viver sem acreditar em mais nada. O Executivo e Legislativo é exatamente o que temos, restou-se tão somente o judiciário para nos dá a esperança e a garantia de sermos cidadãos conforme a Constituição Federal nos garante. Pelo menos o artigo 5º. TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI…”, finaliza.

Faça seu comentário



Possui atualmente : 5 comentários em Poeta monteirense faz apelo em redes sociais pedindo o fim da morosidade no judiciário


  • Caríssimo Dr. Paulo Enio Rabelo e demais leitores.

    Após está publicação recebi um telefone de um membro da OAB SECCIONAL DE MONTEIRO-PB, onde afirmou que a OAB tem interesse em levar o caso avante. Dr. Paulo Ênio Rabelo cita que, com referência a sua ação, ele fez até solicitação ao magistrado apelando para uma posição humanitária. Pois bem nobre Doutor, eu também já fiz esse apelo, mas mesmo assim não fomos atendido. Ressalte-se que falta apenas o magistrado assinar a liberação dos alvarás. Já houve até o despacho. Obrigado ao colunista por evidenciar o fato.

  • MEU AMIGO NAL NUNES EU SO POSSO TESTEMUNHAR QUE SEU DESABAFO ´É UMA VERDADE TÃO VERDADEIRA, QUE NÃO SABE
    MOS AS CONSEQUENCIAS DE NOSSA EXPLOSÃO EM BUSCA DE
    UM DIREITO, QUE A JUSTIÇA NOS NEGA ATRAVÉS DE DECISÕES
    INJURIAS E VERGONHOSOS QUE SÓ FAVORECEM OS PODEROSOS.SOU NAL UMA VITIMA DESSA VERGONHA,PERDI
    MILHÕES POR UM JUIZ QUE JULGOU ERRADAMENTE UM DIREITO
    QUE NAO SER NEGADO, MAS ESSE DESMORALIZADO JUIZ JULGOU
    EM FAVOR DO BANCO. ALÉM MOROSIDADE EM FAVOR DOS PO
    BRES EXISTE A VERGONHOSA DESSAS SENTENÇAS QUE EMD

  • Se você for pesquisar melhor, houve uma reforma no Código de Processo Civil em 2016, extinguiu alguns recursos, mais no meu ponto de vista não foi suficiente, temos um código penal criado em 1940, vejo que hoje os responsáveis de criarem as leis, não as criam para a sociedade de um modo geral, mais apenas para um grupo de pessoas, junte tudo isso, com a falta de servidores em muitas Comarcas da Paraíba, e a excessiva judicialização dos fatos, que muitas vezes podem ser resolvidos em uma Conciliação dentro dos fóruns, temos situações que realmente o magistrado tem culpa, mais isso é um caso ou outro, pois se você for pesquisar tem Juízes que respondem por várias comarcas, isso sem falar nos Defensores Públicos, onde existe 1 Defensor para 10 cidades, acho que você deveria pesquisar mais antes de fazer seus versos, pois quem criam as leis não são os juízes eles apenas cumprem a lei, mais os verdadeiros responsáveis pela morosidade da justiça são aqueles em quem votamos, e como falei anteriormente só criam leis para um pequeno grupo.

  • Assiste inteira razão ao poeta Nal Nunes. No ano de 2004, na qualidade de advogado de um casal de idosos, ingressei com um processo de execução, que tramita na 2ª Vara desta Comarca, contra um estelionatário que lesou o referido casal. Valor da Causa R$- 50.000,00. Durante estes 15 anos em que o processo se arrasta sem um desfecho, já peticionei de todas as formas, apelando, inclusive, para o lado humanitário dos juízes. O casal, hoje na faixa dos 90 anos de idade, não tem mais esperança de obter a tutela judiciária do Estado. É a triste realidade da Comarca de Monteiro. Parabéns POETA.

  • SE EU ANDAR DEVAGAR
    VOU LEVAR UM EMPURRÃO
    DEPOIS DA QUEDA NO CHÃO
    ALGUÉM VAI ME LEVANTAR
    AÍ DEVO ACREDITAR
    DEUS TÁ HÁ MINHA DIREITA
    O MÉDICO EXAMINA E RECEITA
    O VIGÁRIO REZA A MISSA
    NAL NUNES PEDE A JUSTIÇA
    QUÊ A JUSTIÇA SEJA FEITA