sao joao
::Rumo à Câmara Federal, Edna Henrique conquista apoios do prefeito e vereadores de Brejo dos Santos ::Novo incêndio e de grandes proporções é registrado entre Serra Branca e Coxixola ::PREPARE O BOLSO: Preço do botijão de gás de cozinha deve chegar a R$ 75 ::ALPB já gastou R$ 1,2 milhão com locação de veículos, combustível e até com multas ::Festival do Mel chega à 10ª edição com novidades como a ‘Tardezinha do Mel’ ::Pesquisa aponta Cássio como 1ª opção de voto para o Senado ::Pauta do TCE-PB tem contas do Turismo, 13 Prefeituras e sete Câmaras ::Moradores da Zona Rural de Sumé aprovam gestão do prefeito Éden Duarte ::Nova ESA realiza 100 cursos em pouco mais de sete meses ::Haddad diz que não dará indulto a Lula se for eleito presidente Malves Supermercados

Prefeito paraibano não aparece na prefeitura desde que tomou posse

(11/01/2018)
Prefeito paraibano não aparece na prefeitura desde que tomou posse Prefeito paraibano não aparece na prefeitura desde que tomou posse

O prefeito de Desterro, no interior paraibano, Dilson de Almeida, o Didi (PR), não comparece à prefeitura desde o quinto dia do mandato. Ele foi eleito em 2016, tomou posse no dia 1° de janeiro de 2017, mas só comandou o município até o dia 4. Desde então, o município é comandado pelo primo do gestor. Waltércio de Almeida (PR), o vice-prefeito, tem ocupando o cargo no lugar do titular, que vem apresentando seguidos atestados médicos. Dilson mora na cidade de São José do Egito (PE), localizada a 40 quilômetros de Desterro. A família é dona de uma rede de postos com sede na cidade pernambucana.

A lista de doenças alegadas pelo prefeito é quilométrica. De acordo com os atestados médicos em posse do presidente da Câmara, Paulo Wamberto Leite (PSB), Didi alegou no primeiro pedido de licença pré-diabetes, síndrome do intestino irritado, colite, esofagite e estresse intenso. No segundo pedido de licença, seis meses depois, acrescentou à lista sintomas de cardiopatia. Findado o vigor do segundo atestado, foi apresentado um terceiro, mas ele permanece sem valor. Isso por que os vereadores da cidade estão em período de recesso. Por conta disso, o vice não pode assinar documentos. O resultado é que os servidores estão sem salários.

O vice-prefeito também está impedido de pagar aos fornecedores. A TV Cabo Branco foi a São José do Egito, onde, de acordo com os adversários políticos, o prefeito comanda as empresas da família. Lá, Didi negou as acusações e reafirmou as informações sobre as doenças que constam no atestado. “Eu tomo nove tipos de medicamentos. Por sinal, eu trouxe até os medicamentos aqui, se vocês quiserem filmar, os atestados médicos, as consultas. Desde o final de 2016 que eu estou em tratamento regular. Desde 2010 que venho me tratando de uma depressão. E depois das eleições de 2016 eu tive de forma mais intensos os problemas de saúde”, disse.

Dilson diz que está sem trabalhar por causa doo quadro clínico. Ele nega que administre as empresas da família. Acusa os adversários de fazerem acusações infundadas contra ele. Diz também que não tem como “tomar conta e dar conta” das exigências do cargo. O prefeito também garante não receber dinheiro da prefeitura, apesar de constar nos balanços declarados ao Tribunal de Contas do Estado o salário de R$ 10 mil. O valor está discriminado como pagos ao gestor. Vale ressaltar que as informações são repassados pela prefeitura ao TCE.

“Não tenho condições de saúde, condições psicológicas para ocupar o cargo”, diz o prefeito. Dilson de Almeida, ao se referir ao presidente da Câmara, acusou o adversário político de “não bater bem da cabeça”. Oremos!!!

Em respeito a legislação eleitoral o CARIRI LIGADO não publicará os comentários dos leitores. O espaço para interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições 2018 se encerrem.