::ATENDIMENTO GRATUITO: OAB Cariri fará Mutirão Pro Bono em cidades da região ::Açude de Camalaú poderá receber águas da Transposição em agosto ::Atendendo pedido do prefeito, DNOCS garante recuperação do açude de Sumé ::Lideranças de São João do Tigre anunciam apoio a pré-candidatura de Maranhão ::São Domingos do Cariri pode sofrer colapso de água ::Presidente do STJ mantém prisão de Eduardo Cunha ::Criança de 4 anos morre vítima de dengue na Paraíba ::OAB-PB sabatina Lígia no 3° dia de debates com pré-candidatos a governador ::Prefeitura de Prata realiza campanha de vacinação contra pólio e sarampo ::Poeta Bráulio Bessa fará palestra no Cariri em setembro Malves Supermercados

Presidente do TRF-4 determina que Lula deve continuar preso

(08/07/2018)
Presidente do TRF-4 determina que Lula deve continuar preso Presidente do TRF-4 determina que Lula deve continuar preso

O Presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, determinou na noite deste domingo (8) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) continue preso e que os autos retornem ao relator do processo da Lava Jato na Corte, desembargador federal João Pedro Gebran Neto.

“Nessa equação, considerando que a matéria ventilada no habeas corpus não desafia análise em regime de plantão judiciário e presente o direito do Des. Federal Relator em valer-se do instituto da avocação para preservar competência que lhe é própria (Regimento Interno/TRF4R, art. 202), determino o retorno dos autos ao Gabinete do Des. Federal João Pedro Gebran Neto, bem como a manutenção da decisão por ele proferida no evento 17”, destacou Thompson Flores no despacho.

A discussão teve início com a decisão do desembargador federal plantonista do TRF-4 Rogério Favreto, que mandou soltar Lula na manhã deste domingo, o que ocasionou uma sequência de decisões divergentes envolvendo a soltura do ex-presidente.

Favreto é desembargador plantonista e já foi filiado ao PT. Ele se desfiliou ao assumir o cargo no tribunal.

Em setembro de 2016, durante votação da Corte Especial do TRF-4, ele foi o único que votou a favor da abertura de um processo administrativo disciplinar contra Moro e por seu afastamento cautelar da jurisdição, até a conclusão da investigação.

O juiz Moro está em férias, mas, segundo a assessoria da Justiça Federal do Paraná, “por ser citado como autoridade coatora no habeas corpus, ele entendeu possível despachar no processo”.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em Presidente do TRF-4 determina que Lula deve continuar preso