::Unidades Executoras das Escolas Municipais passam por capacitação em Monteiro ::Polícia desarticula desmanche de veículos roubados em Soledade ::Prefeito Éden entrega Van com 21 lugares para transporte de pacientes de hemodiálise ::Conta de luz subirá até 3,86% com reajuste de receita de hidrelétricas ::Batinga cobra ampliação do sistema de abastecimento de água de Serra Branca ::Escolas da zona rural de Sumé recebem Projeto Cultural “Interatos” ::Ricardo reúne aliados para traçar estratégias da campanha de João Azevêdo ::Homem é baleado durante tentativa de assalto em Monteiro ::PV homologa candidatura de Lucélio durante convenção dia 5 ::NO CARIRI: Suspeitos arrombam agência dos Correios e fogem sem levar nada Malves Supermercados

SIÁ RITA TAPERA – Por Zelito Nunes

(09/11/2017)

Boanerges era o detetive. Policiava a fazenda. Dava notícias de tudo.

Investigava os desvios de conduta, rastejava e colhia vestígios de algum malfeito. Observador e astuto, era um menino vivo, mesmo com a cara abestada, própria de quem nasce no mato.”

Siá Rita Tapera era uma negra magra e comprida, de seus quarenta e poucos anos, com a pele tostada e engelhada pelo sol dos Cariris; filha do lendário vaqueiro Vicente Matias da Pedra da Bicha, era casada com Zé Tapera e morava na vizinha Santa Catarina, uma enorme fazenda de propriedade do agrônomo Edson Santa Cruz, que a gente nunca chegou a ver e a quem todo mundo chamava de “o Doutor”.

Siá Rita tinha aquele fuá de cabelo enorme que parecia nunca ter visto um pente e trazia sempre um cachimbo de barro a cano comprido num dos cantos da boca; tinha um jeito de falar e contar histórias num sotaque engraçado, o linguajar muito rápido e sempre olhando pro chão.

Usava um pano que lhe cobria os cabelos já começando a embranquecer, o que tornava a sua cabeça ainda maior do que era. Aparecia pelo menos uma vez por semana lá por casa, quando ia lavar a nossa roupa, já que mamãe e nossas irmãs não conseguiam dar conta de tudo.

Pois bem, Nunes, como chamávamos Boanerges, um dia, desconfiou que a cabeça de Siá Rita estava maior do que de costume.

Enquanto alguém a entretinha, ele, por trás, puxava o pano que lhe cobria a cabeça, sem que ela pudesse nada fazer.

E a surpresa foi aquela chuva de sabão pelo chão da nossa cozinha.

É que ela guardara, ali, o sabão – artigo mais ou menos raro, já que além do “sabão da terra” que mamãe gastava horas e horas na beira do fogo pra fabricar, de sebo de gado e “potaça”, como chamávamos a soda cáustica, aquele em barras só era encontrado nas bodegas, e era caro.

Siá Rita fazia da cabeça um depósito para levar o sabão com que lavava os seus “panos”.

É claro que nós todos rimos muito enquanto mamãe, bondosa feito ela, não brigou com Siá Rita, ponderou apenas que, da próxima vez, não precisava esconder o sabão, era só pedir, que ela lhe daria.

Até porque não se podia abrir mão de uma boa lavadeira, num tempo em que a apanha do algodão, abundante naquela época era atividade que ocupava toda mão de obra dali: adultos, crianças e até idosos.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em SIÁ RITA TAPERA – Por Zelito Nunes