::Prefeitura de Prata economiza recursos e dribla a crise ::Prefeitura de Ouro Velho antecipa pagamento dos funcionários ::Dejinha de Monteiro abre o São João de Monteiro nesta sexta ::‘Quadrilha da Bagaça’ acontece hoje em Monteiro ::Rede Municipal de São Sebastião do Umbuzeiro realiza Arraiá da Educação ::Janot vai ao STF para derrubar lei que permite vaquejada na PB ::Monteirenses comemoram o São João com salário e Décimo Terceiro na conta ::Barraca do Cachorrão, um diferencial no São João de Monteiro… ::Acidente de moto deixa uma vítima fatal no Cariri ::São João de Monteiro 2017 tem atrações para todos os públicos Malves Supermercados

Sobre os dois pontos

(09/01/2017)

Por João Trindade

trindadepequenanovaÉ recorrente o tema dos dois pontos. Ultimamente, recebi uma série de “e-mails” fazendo uma pergunta a que já me referi várias vezes, mas vale a pena repetir: “Depois de dois pontos se usa inicial maiúscula, ou minúscula?”

Eis uma dúvida cruel para muita gente. A coisa é simples. Se a frase após os dois pontos iniciar período (não obrigatoriamente parágrafo!), usar-se-á inicial maiúscula; se for uma continuidade do período anterior, usar-se-á inicial minúscula.

Exemplos:

No trânsito, tudo era caos: batidas, engarrafamentos, carros destruídos… Enfim, um inferno!

Após a enchente, a situação era a seguinte: Os homens, mais corajosos, enfrentavam a correnteza, enquanto que as mulheres aguardavam o desfecho daquela situação.

Outra questão levantada pelos leitores:

PODE HAVER, NUMA FRASE, DOIS PONTOS SEGUIDOS DE DOIS PONTOS?

Ruy Barbosa nos responde:

“A morte não extingue: transforma; não aniquila: renova; não divorcia: aproxima.” (Ruy Barbosa, citado por Celso Cunha).

Ficou claro que pode?

QUANDO SE USAM OS DOIS PONTOS?

Os dois pontos indicam, na escrita, uma suspensão da voz na melodia de uma frase não concluída (Celso Cunha – adaptado). Empregam-se para anunciar:

1. Uma citação: Desabafa o homem: “Que sina a minha!”.

2. Uma enumeração explicativa: “De vez em quando, o olhar distraído se fixa num ponto da cidade baixa: as casas vazias, quase destruídas, a estação, o Porto do Capim…”

3. Um esclarecimento, uma síntese ou uma consequência do que foi dito:

Não és apenas uma mulher bonita: és, simplesmente, a mais bela do lugar.

“A morte não extingue: transforma; não aniquila: renova; não divorcia: aproxima.” (Ruy Barbosa, citado por Celso Cunha).

Observação importante:

Depois do vocativo que encabeça cartas, requerimentos, ofícios, etc., costumam-se colocar dois pontos, vírgula ou ponto, havendo alguns que preferem não usar pontuação alguma.

Sendo o vocativo emitido, essencialmente, com entoação suspensiva e levando-se em conta que após ele haverá uma enumeração (na carta, no ofício, no requerimento), nossa posição é que se devem usar dois pontos, como no exemplo:

“Prezado Sr:

Respondendo à consulta que nos foi feita em carta, datada do dia tal (…)”

A LÍNGUA NO BOLSO

a-lingua-3a-edicaoJá nas melhores livrarias do Brasil a terceira edição do nosso livro “A Língua no Bolso” (Dicas de Português para todas as ocasiões), publicação da Leya/Alumnus.

Nesta nova versão, acrescentamos mais dicas e uma novidade: questões para concurso.

Aqui, em João pessoa, a obra pode ser encontrada nos seguintes locais: Livraria Leitura (Manaíra Shopping); Saraiva (idem) e Livraria do Luiz. Pode, também, ser adquirido pelo sítio: www.tempodeconcurso.com.br

Trata-se de uma obra que não abrange apenas gramática, mas contém um manual prático de redação e um guia da nova ortografia; tudo numa linguagem simples, prática, direta e objetiva. Ideal para qualquer situação: dia a dia; escola; concursos ou, simplesmente, para quem pretende se manter em dia com nosso idioma.

AGRADECIMENTO

Não poderia deixar de agradecer o carinho, a presteza e a dedicação da minha editora, Maria Neves; um verdadeiro anjo na Alumnus: grande profissional e amiga. Há outros projetos, ainda para este ano. É aguardar…

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em Sobre os dois pontos