prefeitura
::Monteiro confirma mais cinco casos de coronavírus ::Veneziano viabiliza mais de R$ 13 mi para investimentos no combate à covid-19 ::Prefeito Éden Duarte entrega obra de reforma e ampliação da sede da Filarmônica Municipal ::Irmã do deputado João Henrique morre vítima de Covid-19 ::Câmara Municipal de Monteiro retoma sessões ordinárias com todas as medidas de prevenção ::Ricardo Coutinho e mais sete se tornam réus em processo da ‘Calvário’ ::Advogados destacam sucesso da Caravana de Vacinação da CAA-PB em cidades do Cariri ::Inmet alerta para perigo de baixa umidade em 69 cidades da Paraíba ::Ouro Velho é o único município do Cariri sem casos de Covid-19 ::Eleições devem ter horário de votação ampliado e podem sofrer com falta de mesários Malves Supermercados

STF nega pedido de cotas para negros em concursos do Legislativo e Judiciário

(15/08/2014)
STF nega pedido de cotas para negros em concursos do Legislativo e Judiciário STF nega pedido de cotas para negros em concursos do Legislativo e Judiciário

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou hoje (15) pedido do Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara) para que seja obrigatória a reserva de 20% das vagas para pardos e negros em concursos públicos do Legislativo e Judiciário. Segundo a ministra, a concessão do mandado de segurança significaria interferência do STF no Legislativo.

A Lei nº 12.990/2014 foi publicada no dia 9 de junho e criou a reserva de 20% nas vagas em concursos públicos para pardos e negros em órgãos da administração federal, como autarquias, fundações, e empresas públicas. Ao recorrer ao STF, o instituto alegou que não foi feita justiça social, pelo fato de o Judiciário e o Legislativo não terem sido contemplados pela lei.

Na decisão, a ministra entendeu que cabe ao Poder Legislativo decidir em quais setores a reserva será aplicada. “Tampouco a impetração poderia ser admitida sob o argumento de violação a direito previsto no Estatuto da Igualdade Racial (Lei nº 12.288/2010), pois, como realçado na manifestação do procurador-geral da República, a lei não reserva 20% das vagas em concurso público aos negros, mas apenas a implementação de medidas visando à promoção da igualdade nas contratações do setor público, com a transferência do juízo de sua adequação aos órgãos competentes˜, disse Cármen Lúcia.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em STF nega pedido de cotas para negros em concursos do Legislativo e Judiciário