::Homem é preso acusado de estupro de vulnerável, em Barra de São Miguel ::Inscrições para concurso de São João do Cariri termina neste domingo ::Cássio diz que geração de emprego é prioridade absoluta ::Hulk compra casa de show Domus Hall, em João Pessoa ::Lojas C&A lança comercial gravado no Lajedo de Pai Mateus, em Cabaceiras ::Alcymar Monteiro é 3ª atração confirmada no X Festival do Mel ::Criminosos assaltam duas mulheres e levam moto e celulares em Taperoá ::Dia D de vacinação contra sarampo e pólio será neste sábado em Sumé ::Prefeita de Monteiro formaliza apoio à candidatura de Veneziano Vital ::Geraldo Alckimin não tem previsão de vir à PB durante a campanha Malves Supermercados

STF proíbe conduções coercitivas de investigados

(14/06/2018)
STF proíbe conduções coercitivas de investigados STF proíbe conduções coercitivas de investigados

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (14), por 6 votos a 5, proibir a condução coercitiva, ato no qual um juiz manda a polícia levar um investigado ou réu para depor num interrogatório.

Esse tipo de medida já havia sido suspensa no ano passado numa decisão liminar (provisória) proferida pelo ministro Gilmar Mendes.

O assunto foi levado a julgamento pelo plenário do STF na semana passada e, nesta quinta, alcançou-se 6 votos entre os 11 ministros para declarar o instrumento inconstitucional.

Na sessão, foram analisadas duas ações, propostas pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), para proibir as conduções. A alegação é de ofensa à Constituição, por supostamente ferir o direito da pessoa de não se autoincriminar.

Segundo o Código de Processo Penal, a condução coercitiva pode ser decretada pelo juiz quando o suspeito “não atender à intimação para o interrogatório, reconhecimento ou qualquer outro ato que, sem ele, não possa ser realizado”.

Usado com frequência na Operação Lava Jato, o instrumento foi usado, por exemplo, para ouvir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2016.

No julgamento, prevaleceu a posição do relator do caso, ministro Gilmar Mendes. Para ele, a condução coercitiva implica exposição e coação arbitrárias, que interfere no direito de locomoção, na liberdade, dignidade da pessoa humana, defesa e de garantia de não-autoincriminação.

Votaram pela proibição das conduções coercitivas:

  • Gilmar Mendes
  • Rosa Weber
  • Dias Toffoli
  • Ricardo Lewandowski
  • Marco Aurélio Mello
  • Celso de Mello

Votaram a favor de permitir conduções coercitivas:

  • Alexandre de Moraes
  • Edson Fachin
  • Luis Roberto Barroso
  • Luiz Fux
  • Cármen Lúcia

Durante os votos, os ministros contrários à condução coercitiva apontaram abusos na aplicação do instrumento, criticando a “espetacularização” das operações nas quais é usado.

Alguns ministros favoráveis à medida disseram que ela poderia ser aplicada em substituição às prisões preventivas – aquelas decretadas antes de condenação, para evitar fuga, novos crimes ou prejuízo às investigações. Assim, teria um efeito menos grave que a prisão e favoreceria o suspeito.

Ao final do julgamento, os ministros também decidiram manter a validade de investigações e depoimentos nos quais a condução coercitiva foi realizada até sua suspensão, no final do ano passado.

Em respeito a legislação eleitoral o CARIRI LIGADO não publicará os comentários dos leitores. O espaço para interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições 2018 se encerrem.