::Batinga cumpre extensa agenda no Cariri e recebe novos apoios ::CIDADE SEGURA: Polícia apreende armas, prende trio e recupera moto no Cariri ::OLHO VIVO – Por Simorion Matos ::João destaca ranking que coloca a PB entre os estados mais eficientes do país ::Lucélio, Micheline, Cássio e Daniella participam de caminhada ::Maranhão ganha adesão de prefeitos, vereadores e reafirmação de apoios em Patos ::TCE emite alerta a Prefeitura de Boa Vista e outras cidades da Paraíba ::TRAGÉDIA NO CARIRI: Criança morre após ser atingida acidentalmente por carro ::Prefeito Adriano Wolff se reúne com o candidato a senador Luís Couto e firma parcerias ::Homem é preso acusado de estupro de vulnerável, em Barra de São Miguel Malves Supermercados

TRANSPOSIÇÃO: Cagepa se recusa a assinar TAC para resolver problema de esgoto em Monteiro

(17/05/2018)
TRANSPOSIÇÃO: Cagepa se recusa a assinar TAC para resolver problema de esgoto em Monteiro TRANSPOSIÇÃO: Cagepa se recusa a assinar TAC para resolver problema de esgoto em Monteiro

A Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) se recusou a assinar termo de ajustamento de conduta (TAC) com o Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público Estadual (MPPB), Prefeitura de Monteiro e Fundação Nacional de Saúde (Funasa), na manhã desta quinta-feira, na sede do MPF em João Pessoa. O objetivo do TAC proposto pelos Ministérios Públicos é solucionar problemas de esgotamento em Monteiro.

A falta de ligação de energia na estação elevatória 4 do município tem causado problemas como dejetos transbordando, poluição atmosférica e vazamento de esgoto em direção ao canal da transposição do rio São Francisco.

Com a negativa da Cagepa, que alegou ter de levar a minuta do TAC para a Procuradoria-Geral do Estado, para análise, o MPF e MPPB deram 15 dias para a companhia apresentar uma alternativa de solução para o problema, assinando o termo ou estabelecendo outra medida conciliatória.

O MPF quer que a estação final de tratamento de esgoto da cidade seja entregue da prefeitura para a Cagepa, ficando a prefeitura responsável por eventuais falhas constatadas na execução das obras da etapa do sistema de esgotamento sanitário.

No TAC proposto, “MPF e MPPB se comprometem a não ingressarem com ações judiciais, seja para compelir os compromissários a cumprir suas obrigações, seja para que se questione a legitimidade da Cagepa no tocante ao recebimento de remuneração através de taxas pelo serviço de esgotamento sanitário de Monteiro, já que está operando o sistema em sua integralidade, seja visando indenizações de danos morais e/ou coletivos, ou ainda solicitando a glosa do convênio realizado entre o município de Monteiro e a Funasa”.

A procuradora do MPF em Monteiro, Janaina Andrade, entende ter havido desrespeito a todos os presentes na reunião por parte da Cagepa, “em apresentar óbice meramente legal para assinatura do TAC ou outra medida conciliatória, já que houve o devido convite ao presidente da companhia, que não indicou qualquer vedação legal para a medida”.

Em respeito a legislação eleitoral o CARIRI LIGADO não publicará os comentários dos leitores. O espaço para interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições 2018 se encerrem.