prefeitura
::‘Deus me Livre’ de Campina Grande vence Torneio de Sinuca na cidade ::REGRAS ELEITORAIS: Senado recua de pontos polêmicos e aprova fundo eleitoral sem valor definido ::O REI NA CAPITAL: Roberto Carlos faz show em João Pessoa em dezembro ::Mais Véia que a Serra (parte 434) – Tabajaras 1974 ::Setembro Amarelo tem programação em diversos setores no município de Monteiro ::Bolsonaro sanciona mudança na Lei Maria da Penha ::Funesc leva espetáculo ‘Parahyba Rio Mulher’ ao Cariri paraibano ::ALPB propõe adoção de energia solar na transposição ::Sancionado Projeto de Lei que declara Festa da Padroeira de Sumé Patrimônio Histórico e Cultural ::Monteiro é segundo lugar no Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde Malves Supermercados

Um grito parado no ar

(25/02/2014)

Por João TRINDADE (professortrindade1@hotmail.com)

trindade

Minha ex-aluna e amiga Ceres Leão “postou”, na internet, uma mensagem, acompanhada de vídeo, em que dizia estar com uma música na cabeça e que não saía (a música), de modo algum. Tal música era “Sonhos”, de Peninha.

Fiquei indignado com uma observação do “link” (tenho certeza de que a observação era do youtub, e não dela), dizendo: “música brega, música de cabaré”.

Ora, “Sonhos” é uma das músicas mais bonitas que conheço; a letra tem muita poesia; não foi à toa que Caetano Veloso gravou (aliás, desnaturou!).

Comentando no Facebook (local onde foi “postada” a mensagem), disse a Ceres o que já foi citado no parágrafo anterior e sugeri que procurasse ouvir, também de Peninha, “Que Pena” e “Um Grito Parado no Ar”.

É a última que vou comentar na coluna de hoje.

Vamos à letra; um verdadeiro libelo da realidade brasileira, nos tempos midiáticos que vivemos:

“Esse quadrado num canto da sala

Fechou sua boca, roubou seu olhar.

Você se liga demais em novela,

Nós nem temos tempo de dialogar…

Não tem mais carinho, ninguém mais se fala,

Nós estamos juntos, mas estamos sós.

Existe um grito engasgado, parado no meio de nós…

Essas revistas na mesa da sala

Não falam de nada que eu preciso ouvir

Essa procura no meio da noite,

Provoca na gente um cheiro de fim…

Você sabe mais dos galãs das novelas

Que do meu esforço pra lhe sustentar…

Existe um grito engasgado, parado no ar.”

Letra sublime e rica. Por quê?

1.Intertextualidade:

“Um Grito Parado no Ar” é uma peça famosa, de Gianfrancesco Guarnieri, que, tenho certeza, muita gente “boa” e “intelectual” nem sabe que existe.

2.Metonímia

“Esse quadrado num canto da sala…”. A televisão, que é retangular, mas, por um processo metonímico, virou “quadrado”.

3.Hipérbole:

“Fechou sua boca, roubou seu olhar…” Evidente exagero.

4.Imagem/metáfora:

“Existe um grito engasgado, parado no meio de nós…” Imagem poética e comparação implícita.

5.”Essa procura no mero da noite…”

aneira poética e suave de falar sobre a ausência do ato sexual.

6.Sinestesia:

“provoca na gente um cheiro de fim…”. Destaque para as sensações.

6.”Você sabe mais dos galãs das novelas

que do meu esforço pra lhe sustentar…”

Maneira suave e poética de falar sobre fantasia sexual.

E ainda dizem que um homem desse é brega, e que as músicas dele são de “cabaré”…

Faça seu comentário



Possui atualmente : 2 comentários em Um grito parado no ar


  • Para alguns brasileiros, a música é apenas distração.
    para outros, que tem na vida o interesse por análise, essa música é o relato fiel da maioria dos casais de hoje.
    Temos sim muito a agradecer aos nossos compositores.
    E nós temos muitos.

    All star – Nando Reis
    Chão de giz – Zé Ramalho
    O mundo é um moinho- Pixinguinha

    Um cordial abraço Prof. João Trindade

  • Fico feliz em saber que ainda existem pessoas com sua sensibilidade. Realmente àqueles que falam coisas sem sentido em relação a compositores do porte de Peninha só nos resta desejar que busquem estudar mais e tentar entender as mensagens passadas junto a belas melodias.
    Um abraço Professor João Trindade