prefeitura
::“Quem não tem mandato não pode dar conselho a quem tem”, diz Efraim Morais ::Em visita ao DER, vereador recebe confirmação de pavimentação da estrada de Malhada de Roça ::Municípios da Paraíba recebem R$ 24,9 mi do FPM nesta sexta ::CAPS de Sumé continua com atividades do Setembro Amarelo ::Goleiro caririzeiro é convocado para seleção brasileira ::Lojas Americanas conta com apoio do SINE Monteiro para processo seletivo ::Líder anuncia que prefeita de Monteiro receberá comissão de servidores para para discutir insalubridade ::Alunos da rede municipal de ensino recebem atendimento oftalmológico em Monteiro ::Governo Federal tem dívida de R$ 25 mi em repasse para as obras do canal Acauã-Araçagi ::Prefeitura de Sumé, Banco do Brasil e empresários se reúnem para tratar sobre a agência Malves Supermercados

UMA CARTA DE JK – Por Ramalho Leite

(02/05/2019)

Era março de 1972 e Juscelino Kubitschek, ex-presidente cassado pelo regime militar, cujo primeiro presidente ajudara a eleger com o seu voto e seu apoio, chegou à Paraíba disposto a aproveitar o carnaval do Clube Cabo Branco, atendendo a convite da sua diretoria. Adolfo Bloch, dono da Revista Manchete, o banqueiro Walter Moreira Sales, o cantor e compositor Dilermando Reis e Fernando Cunha Lima, organizador do tour, formavam com dona Sara, a comitiva do líder mineiro que o Brasil adotou. Juscelino foi recebido discretamente no Hotel Tambaú e nenhum jornal local noticiou sua presença. E nem precisava. Os órgãos de segurança chegaram antes.

Sabe-se hoje, graças ao trabalho da Comissão da Verdade, que os agentes do SNI alugaram dois apartamento ao lado dos que estaria hospedada a vigiada comitiva. Antes que aportassem os hóspedes ilustres, colocaram microfones em vários ambientes, para a escuta clandestina. A partir de então, cada passo de JK esteve sob as vistas constantes dos agentes, que registraram conversas e encontros e. também, os nomes dos paraibanos que chegavam para abraçar o ex-presidente, ciceroneado desde seu desembarque pelo consul Raimundo Onofre, que nunca foi diplomada mas ganhou esse apelido pela “representação” que fazia do senador Rui Carneiro. Outro Raimundo, o Lira, foi objeto das informações sigilosas: então vendedor de carros em Campina Grande, mandara um especial para servir aos deslocamentos de JK .

A presença de JK entre salgadinhos e whisky na casa de admiradores foi tolerada, sem atropelos. Aceitá-lo, porém, diante da multidão que frequentava o carnaval do Cabo Branco, era outra história. Partiu da maior autoridade militar local a ordem para desconvidar o presidente. E a diretoria do Cabo Branco rendeu-se, mesmo com a interferência de autoridades mais condescendentes, a exemplo do médico Manoel Gaudêncio, chefe da Casa Civil do governador Ernani Satyro. O gerente do Hotel Tambaú, chocado com a desfeita aos seus hospedes, resolveu improvisar um carnaval para JK , na boate do hotel, ainda não concluída. Uma troça de bairro, com seus integrantes cheios da cachaça da tarde, abrilhantaram a noite carnavalesca do construtor de Brasília.

Não se registra qualquer pronunciamento ou reclamação de JK, com relação ao episódio que desmerecem os valores paraibanos de hospitalidade. O presidente cuidou de desfrutar as delícias do hotel, que não conhecia e, fez chegar ao seu projetista, o arquiteto Sergio Bernardes, a alegria de compartilhar aquela obra que considerou “a mais aprazível não apenas do Brasil, mas do próprio mundo”.

E acrescenta: “Já andei muito, conheço demais as rotas de turismo internacional e nunca me abriguei num hotel que cativasse tanto pelo sóbrio, elegante e simpático arranjo de todas as suas peças. Os meus parabéns são realmente calorosos, porque você pode estar certo de que, em assuntos de hotéis de turismo, ninguém produziu um melhor do que o seu”.

E conclui JK, dirigindo-se a Sergio Bernardes: “com meu abraço muito afetuoso, os votos para que você prodigalize seu gênio, através deste pais, e produza outras obras tão interessantes como a que assinalou o êxito de Tambaú. Abraço afetuoso de Juscelino Kubitschek”.

A carta de JK para Sergio Bernardes, que me chegou às mãos através desse grande pesquisador que se chama Osvaldo Trigueiro do Vale, revela a alma imortal de JK. Humilhado na Paraíba, relegou a desfeita e preferiu proclamar ao mundo, as excelências dessa obra de arte que nasceu da cabeça de João Agripino e do compasso de Sergio Bernardes. Uma obra que mudou a história da Paraíba.

Faça seu comentário



Possui atualmente : Nenhum comentário em UMA CARTA DE JK – Por Ramalho Leite