prefeitura
::Prazo para pagamento do IPTU 2019 com desconto se encerra nesta sexta-feira ::Prefeita de Monteiro entrega reforma e modernização do açougue público ::Prefeitura de Sumé investe em segurança e saúde nas festas juninas ::Moro diz não ter nada a esconder e que mensagens podem ter sido alteradas ::Secretária de Saúde de Prata aciona vereador Bobô na Justiça ::Prefeitura do Cariri abre processo seletivo com 15 vagas para o Mais Educação ::Prazo para pagamento do IPVA de placa com final 6 termina no dia 28 de junho ::São João de Monteiro terá superestrutura de segurança ::Bandidos assaltam agência bancária em Ouro Velho ::Governo sanciona lei que acaba com salsicha na merenda escolar Malves Supermercados

DA AURORA DA MINHA VIDA

(15/02/2016)

Por Zelito Nunes

zelito_nunesChico Mendes chegou na nossa propriedade ainda em fins da década de cincoenta trazendo uma família numerosa.

Depois de Otacílio era o morador mais perto da gente.

Seus filhos mais novos foram meus fiéis camaradas de caçadas de baleadeira,pescaria de ramada balaio e anzol nos açudes e riachos quando enchiam naqueles Cariris Velhos, onde confesso que vivi “meus verdes anos”.

Chiquinho,seu filho mais novo na época (depois vieram outros) era um menino “doentinho de nascença” e devia ter lá os seus seis,sete anos ,a idade que tem hoje o meu Gabriel.

Chiquinho era magrinho,tinha as unhas roxas e não andava muito.

Na verdade ficava o tempo sentado num banco ou tamborete acompanhando com triste olhar eu e seus irmãos a correr pelo vasto e bem varrido terreiro da casa de taipa onde morava.

Um dia Chiquinho morreu e eu,minhas duas irmãs mais novas (que também já se foram) os seus irmãos e outros camaradas fomos providenciar o enterro do “anjinho” que era ele.

Começamos pelas flores que fomos buscar na fazenda de tio Luiz que cultivava um jardim bem cuidado.

Recordo de nós na volta correndo alegremente com flores nas mãos entre o capinzal e partidos de cana que eram abundantes na nossa propriedade.

Alegres, todos, como se Chiquinho não tivesse morrido.

É que a morte, naquela época, não estava ainda nos nossos juvenis planos.

Algum tempo depois seriam as minhas lindas irmãs .

Coisas da vida.

“Seu Chico” que era compadre do meu pai, morou ainda mais de vinte anos conosco, quando meu pai velho e cansado da lida foi-se embora pra cidade.

Seu Chico já tinha ido antes.

Morreram meu pai, minha mãe e pelo menos mais dois irmãos mais velhos meus.

E ele foi ficando.

Até fazer cem anos quando com prazer fui abraçá-lo.

Com disposição, bom humor e excelente memória, agora foi a sua vez aos cento e seis anos.

Vítima de um descaso de sucessivos (des)governos que nunca cuidaram da saúde desse país.

Um troço chamado Chicungunha, nos levou impiedosamente das nossas histórias aquele pequeno e doce gigante chamado Chico.

Chico Mendes

Salve ele.

Aonde estiver…

Faça seu comentário



Possui atualmente : 1 comentário em DA AURORA DA MINHA VIDA


  • Emocionante o seu resumo sobre o sr.Chico. Q pena que o nosso Brasil está sem governo e sem direção que há muito não se via. Pagamos com impostos os desmandos deste governo, e agora, o pior, estamos pagando com as nossas vidas.